Por Camila Reis – médica

Passar a mão nos cabelos e sentir que junto vem alguns fios soltos pode soar como algo natural para muitas pessoas. No entanto, quando esses poucos fios também ficam no travesseiro, numa peça de roupa ou caídos discretamente por onde passamos; logo escutamos de alguém que deve ser falta de vitamina, estresse ou falta de tratamento nos fios. No período pós-covid uma das maiores queixas de pacientes contaminados foi a perda excessiva de cabelo em um curto período. Mas o que de fato interfere na saúde capilar e quais as formas de prevenir a queda de cabelo?

O ser humano perde, em média, de 50 a 100 fios por dia; e isso é natural, acredite. É o que explica a médica e professora do curso de Medicina da Faculdade Pitágoras, Camila Reis. “Cada cabelo nasce em um bulbo capilar, que funciona como uma fábrica, presente nos folículos capilares. O processo de aparecimento do fio acontece por meio da divisão celular que provoca o crescimento da haste capilar. Depois disso, acontece a queda naturalmente”, detalha a profissional.

A queda de cabelo é um dos principais incômodos no campo da aparência. Esse fenômeno fisiológico que faz parte do funcionamento do nosso corpo, passa por diferentes estágios. “A natureza dos fios passa por três processos: anágena, fase de crescimento; catágena, fase de transição; e telógena, fase de queda”, destaca Camila Reis.

São vários os fatores que contribuem para essa diminuição de volume dos fios. Fatores hormonais, alimentação, cigarro e álcool, estresse e química são alguns deles. Há também os fatores pontuais, como: pós-cirurgia, gestação, febre e infecções, covid, neoplasia e menopausa, por exemplo. “Devido aos diversos fatores, a avaliação médica é essencial para tratar individualmente cada caso, obtendo resultado mais eficaz, que é determinado com base na causa dessa perda de cabeço”, alerta a especialista.

Calvice, queda ou quebra do cabelo?

Além da queda, já mencionada, a palavra calvice é um fator de perda que assusta principalmente o público masculino. A alopecia androgenética, seu nome original, é considerada a forma mais comum de perda de cabelos entre os homens, atingindo mais de 50% da população masculina acima dos 50 anos. Ela ocorre porque o fio passa a ficar muito fino e, por isso, a estrutura que o produz, chamada folículo piloso, acaba se atrofiando.

Já a quebra do cabelo pode acontecer após algum procedimento mais agressivo, como luzes ou alisamentos, pois agem diretamente na fibra do fio.

Seja por questões genéticas ou fatores pontuais, a especialista menciona dicas valiosas quanto ao cuidado com a saúde dos fios:

  • Manter a frequência de higienização por meio da lavagem dos cabelos, de preferência em dias alternados;
  • Massagear o couro cabeludo suavemente e deixar o xampu agir durante a lavagem;
  • Beber muita água para manter-se hidratado;
  • Praticar atividades físicas;
  • Manter uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes;
  • Não fumar nem beber álcool demasiadamente para não prejudicar o aporte de nutriente;
  • Dormir bem, para que o corpo tenha energia.
  • Procurar atendimento médico para analisar se há necessidade de repor vitaminas e minerais.

ASCOM – FACULDADE PITÁGORAS E KROTONMED