Banco Central pedirá ao Congresso autorização para compra direta de crédito

Banco Central pedirá ao Congresso autorização para compra direta de crédito - economiaFoto: Wilson Dias/ Agência Brasil

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, anunciou nesta sexta-feira, dia 27, que o governo vai enviar ao Congresso uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para autorizar a instituição a comprar créditos diretamente de empresas em cenários de crise, sem passar pelo sistema bancário.

De acordo com Campos Neto, esta é uma medida semelhante ao que o Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos, já faz. A PEC aumentará exponencialmente a capacidade do BC em estabilizar o mercado frente aos desafios econômicos com o coronavírus.

“Essa é uma medida que tem largo alcance. O balanço do Banco Central é enorme, tem mais de R$ 1,5 trilhão. Então essa é uma medida muito importante para estabilizar o crédito”, afirmou o presidente do BC. Ainda segundo Campos Neto, a ideia não é que o Banco Central tenha sempre essa autonomia, mas que o recurso possa ser acionado em cenários de crise.

Metro1

Quarentena: Como aproveitar o período para economizar e poupar para o futuro

Quarentena: Como aproveitar o período para economizar e poupar para o futuro - economiaFoto: Pixabay

Para diminuir a velocidade de propagação do novo coronavírus, a recomendação das autoridades governamentais é para que as pessoas fiquem em casa. Neste cenário, os gastos com shows, baladas, bares, compras em lojas físicas do varejo, entre outros, deixarão de fazer parte da rotina durante um tempo, o que pode colaborar para dar um fôlego às finanças pessoais ou mesmo favorecer o hábito de poupar dinheiro. Por outro lado, a permanência prolongada em casa pode levar ao aumento de gastos com outras demandas, como contas domésticas e compras de insumos básicos.

Diante disso, a Associação de Educação Financeira do Brasil — AEF-Brasil, cuja missão é promover e fortalecer a causa da educação financeira em todo o país, apresenta algumas orientações que podem ajudar a equilibrar essa balança e fazer da quarentena um momento oportuno para repensar comportamentos que prejudicam uma vida financeira saudável, além de adotar novas práticas que contribuam para torna-la ainda mais promissora.

“Estamos vivendo uma crise sem precedentes no mundo com essa questão do novo coronavírus. Há muitas incertezas sobre o mercado, a economia, os empregos. Não dá para negar que quem não fez a lição de casa em relação às finanças pessoais pode sofrer mais os efeitos desse problema, já que ter uma reserva financeira num momento como este, por exemplo, poderia contribuir para atravessá-lo com um pouco mais de tranquilidade”, explica Claudia Forte, superintendente da AEF-Brasil, ao comentar a importância da educação financeira para atravessar situações como essa. (mais…)

Aneel suspende cortes de energia elétrica por falta de pagamento

Aneel suspende cortes de energia elétrica por falta de pagamento - economiaFoto: Marcos Santos/ USP Imagens

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu nesta terça-feira, dia 24, suspender os cortes no fornecimento de energia elétrica motivados por falta de pagamento dos consumidores. A medida, válida inicialmente por 90 dias, pode ser alterada e foi adotada em razão da crise na economia provocada pela pandemia do novo coronavírus.

A suspensão vale para todas as residências urbanas e rurais e para os serviços considerados essenciais, como hospitais. O processo foi votado em reunião extraordinária. Segundo o relator, o diretor Sandoval Feitosa, a medida não isenta os consumidores do pagamento, mas serve para garantir que quem não tiver condição de manter as faturas em dia continue tendo acesso ao serviço.

“Rogo a todos brasileiros que possam pagar no prazo a suas faturas que o façam. Isso permitirá que possamos abraçar as pessoas que não possam pagar as contas de energia”, afirmou. No voto, Feitosa afirmou ainda que o fornecimento de energia elétrica é essencial para manter os brasileiros em suas casas.

A resolução da Aneel também prevê outras medidas, entre as quais: (mais…)

Moro libera recursos de fundo de segurança para combate à covid-19

Moro libera recursos de fundo de segurança para combate à covid-19 - economiaFoto: Wilson Dias/ Agência Brasil

Portaria publicada nesta terça-feira, dia 24, no Diário Oficial da União, assinada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, autoriza estados a utilizarem R$ 202 milhões do Fundo Nacional de Segurança Pública e mais R$ 18 milhões do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos em ações de controle ao novo coronavírus.

“Fica autorizada a utilização dos recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública, repassados no exercício de 2019 aos Fundos Estaduais e Distrital em ações de segurança pública e defesa social necessárias ao combate dos efeitos da pandemia do coronavírus”, diz o texto.

Apesar da possibilidade de realocação dos recursos, a portaria ressalta que devem ser respeitados os percentuais destinados ao custeio e ao investimento. O texto acrescenta que “os recursos repassados serão bloqueados caso seja identificada a ocorrência de desvio ou de irregularidade que possam resultar em dano ao Erário ou em comprometimento da aplicação regular dos recursos.”

Metro1

Atendimento presencial está suspenso nas agências do INSS em todo o país

Atendimento presencial está suspenso nas agências do INSS em todo o país - economiaFoto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Devido à pandemia de coronavírus, o atendimento presencial nas unidades do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) está suspenso em todo o país até 30 de abril de 2020. O prazo pode ser prorrogado. A determinação consta na Portaria nº 412, de 20 de março de 2020, do presidente do Instituto Nacional do Seguro Social, publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira, dia 23.

Enquanto as agências estiverem fechadas, os requerimentos de serviços previdenciários e assistenciais deverão ser realizados, exclusivamente, por meio de dois canais remotos: o site Meu INSS e Central de atendimento 135.

Já os agendamentos, inclusive de reabilitação profissional e serviço social, estão suspensos. Eles só serão reagendados quando o atendimento presencial nas unidades do INSS for estabelecido. Está garantida, no entanto, a observância da data de entrada do requerimento.

Metro1

STF suspende cortes no Bolsa Família até o fim do estado de calamidade pública

STF suspende cortes no Bolsa Família até o fim do estado de calamidade pública - justica, economiaFoto: Jefferson Rudy/ Agência Senado

O Supremo Tribunal Federal suspendeu os cortes no programa Bolsa Família até o fim do período de estado de calamidade pública decretado pelo governo federal por conta do coronavírus.

Além disso, o STF determinou ainda que à União disponibilize dados para justificar a concentração de cortes na região Nordeste.

A ação foi movida por pelo consorcio Nordeste e Norte após o governo Jair Bolsonaro priorizar o Sul e o Sudeste na liberação de novos benefícios em detrimento do Nordeste, que concentra 36% das famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza na fila do Bolsa Família.

Bahia.Ba

Coronavírus: Bolsonaro anuncia R$ 85 bilhões para estados e municípios

Coronavírus: Bolsonaro anuncia R$ 85 bilhões para estados e municípios - economiaFoto: Alan Santos/ PR

Em reunião com governadores do Nordeste, nesta segunda-feira, dia 23, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a liberação de R$ 85 bilhões para fortalecer estados e municípios na luta contra o avanço do coronavírus no Brasil. A reunião aconteceu por videoconferência. Segundo o presidente, R$ 8 bilhões serão transferidos para a saúde, enquanto a União dará R$ 16 bilhões como seguro para queda de arrecadação.

Além disso, o governo federal assegura R$ 2 bilhões para a Assistência Social, suspensão das dívidas dos estados com a União (R$ 12,6 bilhões), renegociação com os bancos (R$ 9,6 bilhões) e operações com facilitação de créditos (R$ 40 bilhões). Segundo Bolsonaro, duas Medidas Provisórias (MPs) “vão transferir recursos para fundos de saúde estaduais e municipais”.

“Soluções permanentes para problemas estruturais. Aperfeiçoamento das reformas: PEC Emergencial do Pacto Federativo e Plano Mansuwto estão sendo aprimorados e  darão fôlego a Estados e Municípios para vencer a crise. Governo Federal, Justiça, Congresso, Estados e Municípios juntos construirão uma saída estrutural federativa”, escreveu nas redes sociais.

Bahia.Ba

5 ferramentas que te ajudam a organizar a vida financeira em meio à pandemia do Coronavírus

5 ferramentas que te ajudam a organizar a vida financeira em meio à pandemia do Coronavírus - economiaImagem de Michi S por Pixabay

Um cenário de recessão global é o que vemos atualmente. Com a chegada do Coronavírus, o mundo se viu diante de uma série de mudanças bruscas: o disparo do preço do dólar, a queda da bolsa, instituições educacionais cancelando as aulas, empresas fechando e orientando os colaboradores a fazerem Home Office por tempo indeterminado, dentre outros exemplos.

Embora a situação tenha começado em países asiáticos, no cenário atual o surto está presente em pelo menos 114 países, já infectou quase 120 mil pessoas e deixou mais de 4,7 mil mortos. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil já registrou 291 casos confirmados da doença. Até o momento, São Paulo é o estado com o maior número (164, total) e o primeiro com registro de morte pela doença. Para ajudar as pessoas a manterem a vida financeira em ordem sem precisar sair de casa, separei abaixo algumas ferramentas super eficazes:

Quite.Já

É uma plataforma de negociação de dívidas criada com o objetivo de oferecer uma alternativa de recuperação de crédito para os credores e devedores, tornando essa relação a mais saudável possível. A fintech é um canal complementar para os credores e oferece um suporte 100% digital durante todo o processo de pagamento. Além disso, a Quite.Já auxilia empresas a recuperarem créditos e ajuda na recuperação de clientes. Através dos serviços da plataforma, o usuário é capaz de criar autonomia para visualizar a composição da dívida, as sugestões de condições de pagamento e fazer simulações. (mais…)

Coronavírus: Bancos estudam prorrogar pagamentos de dívidas em até 60 dias

Coronavírus: Bancos estudam prorrogar pagamentos de dívidas em até 60 dias - economiaFoto: Pixabay

Os cinco maiores bancos que operam no Brasil (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú Unibanco e Santander) afirmaram à Federação Brasileira de Bancos (Febraban) que estão “abertos e comprometidos” em atender pedidos de prorrogação, por 60 dias, dos vencimentos de dívidas de clientes pessoas físicas e micro e pequenas empresas.

A decisão está sendo avaliada após a pandemia do novo coronavírus.  No comunicado, a Febraban afirma que entende a doença como “um choque profundo, mas de natureza transitória”.

“A rede bancária e seus canais de atendimento ficarão à disposição do público e prontos para apoiar todos que estejam enfrentando dificuldades momentâneas em função do atual contexto”, disse.

Metro1

Setor de hotelaria pede crédito e adiamento de impostos por coronavírus

Setor de hotelaria pede crédito e adiamento de impostos por coronavírus - economiaImagem Ilustrativa | Crédito: Pixabay

As entidades que representam a hotelaria do Brasil apresentaram uma carta pedindo ao Ministério do Turismo, providências para minimizar os impactos da evolução de casos do novo coronavírus no setor.

No texto que pede criação de linhas de crédito e o adiamento de impostos, a Associação Brasileira de Resorts, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, o Fórum dos Operadores Hoteleiros do Brasil, a Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação e o Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas falam que já sofrem o impacto de cancelamentos de milhares de diárias e de eventos por conta do surto da doença.

“Entendemos ser essencial a elaboração de uma Medida Provisória que vise reduzir os impactos econômicos da crise diante do setor, sob o risco da economia sofrer perdas irremediáveis”, diz a carta.

(mais…)

Após tombo, bolsas no Brasil e no mundo apresentam recuperação

Após tombo, bolsas no Brasil e no mundo apresentam recuperação - economiaFoto: Pixabay

Após o tombo registrado nesta quinta-feira, dia 12, as principais bolsas do mundo e os preços do petróleo apresentam recuperação nesta sexta-feira, dia 13.

No entanto, a pandemia do novo coronavírus, as medidas de contenção e o temor de uma recessão global seguem afetando os mercados pelo mundo. No Brasil, por volta de 12h, a Bovespa operava em alta de 3,03%, a 74.781 pontos, tendo chegado a disparar mais de 15%.

O dólar era negociado em queda e bateu R$ 4,70. As bolsas de Frankfurt, Paris, Londres e Madri operavam em alta, assim como os preços dos barris de petróleo Brent e WTI.

Metro1

Bolsa cai após OMS declarar pandemia de coronavírus

Bolsa cai após OMS declarar pandemia de coronavírus - economiaFoto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Os mercados globais voltam a viver um dia de perdas nesta terça-feira, dia 10, após trégua. Logo após a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarar pandemia global de coronavírus nesta tarde, a Bolsa ampliou a queda e o dólar subiu a R$ 4,70, alta de 12,27%. O Ibovespa, principal índice do mercado de ações brasileiro, perde 7,04% a 85.718 pontos.

As principais ações do índice apresentam perdas expressivas: as ordinárias da Petrobras recuam 8,93% a R$ 16,72, enquanto a preferenciais têm baixa de 8,49% a R$ 16,07. O valor do barril do petróleo tipo Brent recua 2,77% a US$ 36,19.

A decretação de pandemia pode forçar o Banco Central a voltar a fazer intervenções no mercado de câmbio, com venda de dólares no mercado à vista. O BC voltou a atuar hoje por meio dos contratos de swap tradicional, que é um instrumento financeiro que equivale à venda de dólares. Foram vendidos 20 mil contratos, totalizando US$ 1 bilhão.

Metro1

AGU quer cobrar tarifa de cheque especial até de quem não usar o limite

AGU quer cobrar tarifa de cheque especial até de quem não usar o limite - economiaFoto: Marcos Santos/ USP Imagens

A Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu, nesta quarta-feira, dia 11, no Supremo Tribunal Federal (STF), a cobrança de tarifa sobre o limite do cheque especial até para quem não usa o crédito. A regra entrou em vigor em janeiro deste ano e foi contestada em ações na Justiça Federal do Distrito Federal e do Supremo. O relator da ação no STF é o ministro Gilmar Mendes.

Os processos contestam resolução do Banco Central que permitiu a cobrança de tarifa de 0,25% sobre o cheque especial mesmo de quem não utilizar o limite. Em manifestação enviada ao STF, a AGU afirmou que a cobrança da tarifa não é obrigatória pelos bancos e só ocorrerá caso o consumidor permita, por isso, não der a liberdade de escola do correntista e é “compatível com o texto constitucional”.

“Não se trata de enriquecimento sem causa, mas da cobrança de uma tarifa por um serviço posto à disposição do cliente, por sua própria contato, a qual deve ser descontada de eventuais juros devidos pela efetiva utilização do limite de crédito”, diz a AGU. A ação foi apresentada pelo Podemos. Como relator do pedido, o ministro Gilmar mendes pode decidir individualmente se suspende a medida ou se encaminha a decisão ao plenário. (mais…)

Bolsas de Valores da Europa sobem 3%, mas a de Tóquio cai

Bolsas de Valores da Europa sobem 3%, mas a de Tóquio cai - economiaFoto: Pixabay

As principais bolsas de valores da Europa tiveram nesta terça-feira, dia 10, uma subida de 3% depois da forte queda de segunda-feira, relacionada com os efeitos do novo coronavírus na economia mundial e pela redução nos preços do petróleo, a maior desde 1991, ano da primeira guerra do Golfo.

Na Bolsa de Valores de Tóquio, os preços das ações continuaram caindo nesta terça-feira em vista das preocupações com o surto do novo coronavírus que poderá afetar seriamente a economia global.

O índice Nikkei caiu, temporariamente, registrando, pela primeira vez em 15 meses, uma baixa inferior a 19 mil pontos em um dia. A sessão matutina terminou em 19.405 pontos, com uma queda de 293 pontos em comparação ao fechamento de segunda-feira.

Bahia.Ba

Petrobras assina contrato para venda de quatro campos terrestres

Petrobras assina contrato para venda de quatro campos terrestres - economiaFoto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

A Petrobras assinou nesta segunda-feira, dia 09, um contrato com a Eagle Exploração de Óleo e Gás Ltda. (Eagle) para venda de 100% de sua participação em quatro campos terrestres localizados na Bacia de Tucano, no interior da Bahia, por US$ 3,01 milhões.

O fechamento da transação está sujeito ainda ao cumprimento de condições, como a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Os campos terrestres envolvidos na transação são Conceição, Quererá, Fazenda Matinha e Fazenda Santa Rosa.

“Essa operação está alinhada à otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à maximização de valor para os nossos acionistas”, diz a Petrobras, em nota. A Eagle é uma empresa brasileira de óleo e gás e é o braço de E&P do Grupo CKL, que tem um portfólio de negócios que cobre todo o território nacional nas áreas de infraestrutura, obras eletromecânicas, concessões rodoviárias, real estate, energia e saneamento.

Metro1

Feirão da Serasa renegocia dívidas com desconto de até 98%

Feirão da Serasa renegocia dívidas com desconto de até 98% - economiaFoto: Marcos Santos/ USP Imagens

Até o fim do mês, as pessoas físicas e microempreendedores endividados terão a oportunidade de renegociar dívidas no Serasa com desconto de até 98%. O feirão Serasa Limpa Nome oferece a renegociação pela internet, pelo smartphone e, a partir desta segunda-feira (9), nos escritórios da Serasa em todo o país.

Os devedores podem pedir a renegociação no site ou no aplicativo Serasa Consumidor, disponível para os dispositivos dos sistemas iOS, da Apple, e Android, do Google. Segundo o diretor da Serasa Consumidor, Giresse Contini, não há distinção nas negociações pedidas pessoalmente ou a distância, portanto não é necessária uma corrida aos postos de atendimento.

O feirão deste ano tem uma novidade. Pela primeira vez, será permitida a renegociação de débitos para microempreendedores e microempresários. Ao rastrear o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), o sistema verifica se há débitos num Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica no mesmo nome. (mais…)

Voltar à página inicial