Poema de Maria do Carmo: Maternidade Africana

Poema de Maria do Carmo: Maternidade Africana - poesiaNa foto, Maria do Carmo | Crédito: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

A Poeta e escritora, Professora Maria do Carmo, nesta Semana da Consciência Negra, apresenta o seu Poema intitulado: Maternidade Africana. Carminha, como é conhecida, propõe através desta obra uma reflexão acerca do reconhecimento da importância do Negro e do seu legado na construção da sociedade brasileira, objetivando também alertar as pessoas sobre o compromisso para com o combate ao preconceito e a discriminação racial.

MATERNIDADE AFRICANA

O ventre da Mãe-África se permitiu gerar!

Gerar vidas para a humanidade perpetuar.

Seus filhos cresceram, frutificaram, a humanidade povoaram.

A Mãe-África em desalento, chorou ao ver seus filhos rejeitados!

Não os acolheram como humanos?

Sua cor era sinônimo de desamor?

A Mãe-África jamais desanimou!

Caminha filho! Caminha filha!

Renega o preconceito que a humanidade sempre te quis impor!

Sobre a autora:

Maria do Carmo, residente na cidade de Mutuípe (BA), é autora da Coletânea Poética Retalhos de Vivências, tem poemas publicados em várias Antologias, sendo as mais recentes: Tabuleiro de Poesia, Seletos Versos, O Livro das Marias II e Sarau Brasil. Ela participa de eventos literários, sendo o mais recente no Palco aberto da III Feira Literária de Campina Grande/PB. Maria é professora da Escola Municipal Luís Eduardo Magalhães em Santo Antônio de Jesus e colunista do site de notícias Tribuna do Recôncavo.

Poema: CLAMOR DA NOSSA GENTE!

Poema: CLAMOR DA NOSSA GENTE! - poesiaFoto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Por Maria do Carmo, poetisa

Gente brava! Gente brasileira!

Gente que sonha e luta por uma “Pátria Ordeira”!

A Ordem e o Progresso é mera teoria?

O clamor dos teus filhos não te angustia?

Esta gente brasileira clama por respeito e dignidade!

A desigualdade gera os excluídos da sociedade!

Gente brava! Gente brasileira!

Gente que não apenas sonha!

Gente que cotidianamente labuta!

Labuta por justiça e igualdade!

Esta brava gente, clama por Indepedência e chora as mazelas sociais!

Independência! Usufruto dos Direitos que deveriam ser para todos iguais!

A Ordem e o Progresso não podem ser mera utopia!

A gente brava brasileira, luta!

Luta por uma vida digna para todos, não apenas para uma minoria!

Gente brava! Gente brasileira!

Gente que luta, resiste e persevera na conquista da “Independência Verdadeira!”

Sobre a autora

Maria do Carmo da Silva Santos é natural de Mutuipe-Ba; Licenciada em Geografia; Professora  na rede municipal em Santo Antonio de Jesus-Ba; Participação nas Antologias: O QUE É QUE A BAHIA TEM e A MATRIZ DA PALAVRA/O NEGRO EM PROSA E VERSO – (Litteris editora); 1º lugar no Concurso Poético Grande Prêmio Giuliano Ottaviani/Eclética World Itália – 2019; Autora do livro RETALHOS DE VIVÊNCIAS e Colunista no site de notícias TRIBUNA DO RECÔNCAVO.

Poema de Maria do Carmo: DECIFRANDO A QUARENTENA

Poema de Maria do Carmo: DECIFRANDO A QUARENTENA - poesia, destaqueFoto tirada em dezembro de 2019 na 1ª FESLAM em Amargosa

25 de julho é o Dia Nacional do Escritor, data escolhida para homenagear escritoras e escritores brasileiros. Essa data, que geralmente é marcada por eventos que valorizam os escritores brasileiros, em 2020 está sendo celebrado de uma forma Nunca Antes Vista, apenas virtualmente. Nesse tempo de distanciamento por conta da pandemia, a poetisa e escritora Maria do Carmo (Carminha) preparou o poema: DECIFRANDO A QUARENTENA, confira:

Uma flor.

Um poema.

Estação Quarentena!

A flor tem nome?

O poema tem título?

A Quarentena tem valor?

Pouco importa o nome da flor.

Pouco importa o título do poema.

Muito importa saber:

A flor embeleza a alma na Estação Quarentena.

Talvez, se esta estação não existisse,

A flor teria passado despercebida.

E este poema não teria existido.

A Quarentena tem valor,

Para que a vida tenha mais amor.

O poeta em Quarentena abriu as portas apenas para a poesia.

Sobre a autora

Maria do Carmo da Silva Santos é natural de Mutuipe-Ba; Licenciada em Geografia; Professora  na rede municipal em Santo Antonio de Jesus-Ba; Participação nas Antologias: O QUE É QUE A BAHIA TEM e A MATRIZ DA PALAVRA/O NEGRO EM PROSA E VERSO – (Litteris editora); 1º lugar no Concurso Poético Grande Prêmio Giuliano Ottaviani/Eclética World Itália – 2019; Autora do livro RETALHOS DE VIVÊNCIAS e Colunista no site de notícias TRIBUNA DO RECÔNCAVO.

Poesia de Maria do Carmo: CLAMOR PELA VIDA

Poesia de Maria do Carmo: CLAMOR PELA VIDA - poesiaImagem de Pete Linforth por Pixabay

Surto, pandemia!

Vírus letal a humanidade contagia.

O homem fazia o planeta girar desenfreadamente.

A roda do Capitalismo teve que frear inesperadamente.

Desalento, tristeza, morte e sofrimento.

Humanos perplexos! Impotentes perante ao caos deste momento.

Nações e povos em batalha pela vida.

Isolamento social faz o homem parar a lida.

Urgente apelo à reflexão.

Preservar a vida exige dedicação e doação.

Dignidade humana e cidadã devem se sobrepor ao Capitalismo tentador.

Solidariedade e fraternidade são formas de exercitar o Amor.

Numa sociedade que preza pelo combate a desigualdade social, a VIDA é prioridade! Surtos, pandemias, são banidos em tempo hábil e com reduzida mortalidade!

Maria do Carmo da Silva Santos é colunista do Tribuna do Recôncavo e Autora do Livro: RETALHOS DE VIVÊNCIAS

Poesia de Maria do Carmo: DEFININDO O “SER MULHER”

Fostes modelada pelas hábeis mãos do criador!

Tens o dom de possuir a essência vital!

Sapiência e determinação sustentam o teu cotidiano.

Tua labuta antecipa o raiar do dia.

O dia torna-se pequeno diante das inúmeras tarefas que tens a cumprir.

Lutas arduamente pela vida e pela sobrevivência.

As adversidades humanas e sociais não te intimidam.

Fortaleza e resiliência definem a tua existência.

És humana, cidadã, um ser dotado de múltiplos dons.

És MULHER! Um ser moldado com ilimitado amor!

Dignidade, reconhecimento e respeito são atributos que à sua existência dá alento!

Maria do Carmo da Silva Santos é colunista do Tribuna do Recôncavo e Autora do Livro: RETALHOS DE VIVÊNCIAS

REFLEXÃO NATALINA

REFLEXÃO NATALINA - poesiaArte: Reprodução/ blog.cancaonova

Eis que finda o tempo do Advento.

Para nós cristãos, tempo de alento!

A humanidade revive um memorável acontecimento!

A vinda de Jesus, o Salvador, a celebração do seu nascimento!

 

Luz para os que nas trevas viviam!

Libertação para os que na escravidão pereciam.

O Deus-humano desceu à terra e nela fez sua morada.

A salvação profetizada, entre nós chegava.

 

Deus se fez um de nós!

Em nosso meio veio habitar.

O presépio foi o seu abrigo.

Pelos humildes pastores foi acolhido.

 

Na condição de um pobre menino, Jesus veio à Terra!

Trazer a paz, o amor, a salvação.

Banir do mundo a injustiça, a opressão.

Fazer reinar a felicidade no humano coração!

 

Natal do Menino Jesus! Na manjedoura a vida reluz!

O coração humano é revestido de esperança e alegria.

Está conosco o Salvador!

Onde havia trevas, a luz irradia!

 

O Nascimento do Menino-Deus nos leva à reflexão.

Amor, paz, justiça! São anseios de todo coração.

É essencial viver os ensinamentos de Jesus no dia-a-dia.

Acolher o Deus-Menino que se revela em cada irmão!

 

É Natal!

Tempo de refletir sobre a prática cotidiana da solidariedade!

Solidariedade! Meta de todo cristão que reconhece Jesus no irmão.

É Natal! Tempo propício à reflexão!

 

É Natal!

A humanidade ainda vive sob o peso da opressão.

Mesa farta, presentes, vestes novas, para muitos é sinônimo de desolação.

Há sempre um irmão carente de algo no campo ou na cidade.

Urgente e essencial se faz a vivência da fraternidade.

Para que o 25 de dezembro não seja apenas uma data festiva,

Mas um Natal de verdade!

Autoria: Maria do Carmo da Silva Santos/ colunista do Tribuna do Recôncavo

Poema de Maria do Carmo: TRIBUTO À SANTA DULCE

Por Maria Rita fostes civilmente registrada!

Por Dulce fostes religiosamente consagrada!

Conceitos e preconceitos desafiastes!

Indigentes e doentes com amor abraçastes!

Sofrestes advertência pela hierarquia religiosa e civil!

Incansável e firme, não baixou a cabeça, prosseguiu!

Seu lema: acolher, ofertar abrigo e carinho!

A oração! Tua fortaleza no peregrinar deste caminho!

Crianças, adultos e idosos, a todos acolhias!

Esperança e amor com o teu olhar transmitias!

Não te inibias! Esmola para os pobres pedia!

Os excluídos pela sociedade teu coração comovia!

Teu itinerário: percorrer palafitas, acolher retirantes, dar remédio aos moribundos, educar para a vida, doando-te de corpo e alma aos que a sociedade marginaliza!

Carinho, abrigo, comida, remédio, doou a tantos humanos carentes!

“A obra não é minha é de Deus!” Professava à tua gente!

Irmã Dulce! “O anjo bom da Bahia!”

Tua humildade e carisma nossos corações contagia!

Nas terras do Senhor do Bonfim, partilhastes o teu generoso coração!

O mundo te reconhece como mulher de fé e determinação!

És a SANTA DULCE DOS POBRES! Luz que reluziu na Bahia e pelos céus irradia!

És eternamente o anjo bom que com a vastidão de tuas asas o céu alcançou!

A Igreja de Cristo te reconhece! Os anjos entoam para Ti uma especial canção, a humanidade  rende graças a Deus, pela tua canonização!

Sobre a autora, 

Maria do Carmo da Silva Santos é autora do livro: RETALHOS DE VIVÊNCIAS e colunista do Tribuna do Recôncavo.

Poema de Maria do Carmo: AMAZÔNIA AGONIZANTE

Poema de Maria do Carmo: AMAZÔNIA AGONIZANTE - poesiaFoto: Cristino Martins/ Ag. Pará/ Fotos Públicas, em 31.03.2017

Lágrimas de fogo!

Rios de sangue!

Animais carbonizados!

Vegetação desmoronando!

Solo esturricado!

Fumaça tóxica!

Fauna e flora devorados pelas chamas!

O “pulmão do mundo” dilacerado”!

Amazônia incendiada!

A floresta agora jaz!

Folhagens viraram cinzas!

Bioma assolado!

Alma ardendo! Coração humano desolado!

Fogo, sangue, carvão, fumaça!

A vida no Planeta em ameaça!

A humanidade vitimada por catástrofe ambiental e social!

A sociedade perplexa, geme as dores deste incendiário mal!

*Maria do Carmo da Silva Santos é autora do livro: RETALHOS DE VIVÊNCIAS e colunista do Tribuna do Recôncavo.

Poema de Maria do Carmo: “DECIFRANDO O SER MÃE”

Poema de Maria do Carmo: "DECIFRANDO O SER MÃE" - poesiaCrédito: Pixabay

Tens em Eva a genealogia!

Fostes inspirada na Bem-Aventurada Maria!

Persistência e resistência te revestem no dia a dia.

Batalhas incansavelmente seja no campo ou na cidade.

Viver não basta! Necessitas sobreviver com alegria e dignidade.

Perpetuar gerações é tua missão singular.

Fé e esperança são o suporte que a tua rotina vem sustentar.

Lutas e sofrimentos não te intimidam, te dão alento.

Desafias as adversidades com teimosia e discernimento.

Ser reconhecida e respeitada como mulher e cidadã dignifica tua maternidade.

Teus filhos, razão de ser da tua existência, deseja vê-los viver e sobreviver com decência e dignidade.

Abraças a tua vocação e vivencias o teu “ser mãe” com sabedoria exemplar.

Mãe! Não é apenas um título, um status. É a essência da vida a se perpetuar!

*Maria do Carmo da Silva Santos é autora do livro: RETALHOS DE VIVÊNCIAS e colunista do Tribuna do Recôncavo.

Para essa data especial, 8 de março, o poema “SER MULHER”

És por excelência um ser singular!

Persistência e resistência revestem o teu dia a dia.

Batalhas incansavelmente quer no campo ou na cidade.

Viver não basta! Sobrevives com autenticidade.

Fé e esperança sustentam tua cotidiana labuta.

Adversidades e dificuldades não te intimidam.

Driblas os desafios naturais e sociais com determinação.

Procriar e zelar da tua cria é tua especial vocação.

Competes com o sol do nascer ao anoitecer.

Do passado à contemporaneidade és sábia e poderosa.

Vivencias o teu SER MULHER de cabeça erguida onde presente se fizer.

Independente da faixa etária és mulher cidadã.

Resiliência humana e consciência cidadã te impulsiona a jamais desistir de lutar.

És por excelência um ser singular!

O verbete Mulher não te associa a apelido nem a sobrenome.

O verbete Mulher remete a um ser especial: humana, resiliente, guerreira, protagonista da tua história, revestida de empoderamento!

Que o respeito e a valorização do teu ser sejam o teu galardão, merecido reconhecimento!

 

Autoria: Maria do Carmo da Silva Santo/ Colunista do Tribuna do Recôncavo

 

Poema de Maria do Carmo: IDENTIDADE NORDESTINA

Poema de Maria do Carmo: IDENTIDADE NORDESTINA - poesiaFoto: Alberto Coutinho/ GOV-BA

NORDESTE! Berço que acolheu o Brasil!

Exuberante natureza caracteriza o teu perfil!

Indios, negros, caboclos, quilombolas, socializam seus saberes, vivenciam sua fé, demonstram o seu “ser nordestino” que com trabalho e determinação, enfrenta o dia-a-dia na luta árdua pelo pão!

Orgulha-te de construir o progresso desta nação!

O teu povo, canta dança, samba e irradia alegria!

Come jabá com pirão, não nega a tua raiz!

Adoça o cotidiano com rapadura. Êta povo feliz!

Com a diversidade de expressões, preserva a sua cultura!

Dança forró o ano inteiro, dá uma mão de prosa no terreiro!

O NORDESTINO existe, insiste e resiste!

Alegria, solidariedade, sabedoria e resistência, marcam a vida deste povo que com a força de seus braços nosso país sustenta!

Nordestinos! Vítimas do preconceito humano, social, racial, cultural, religioso e político, promovido pelos que insistem em não reconhecê-los como “sujeito    histórico.”

Sonham até em excluir do mapa esta histórica região!

Mas a nossa identidade não vão banir! Ela está cravada no coração nordestino e a discriminação não irá sucumbir!

O Nordeste existe, insiste e resiste!

O Nordeste é o meu quinhão!

Nordestino sou de coração!

Não aceito discriminação!

Sou nativo do Nordeste!

Autêntico nordestino!

Existo, insisto e resisto!

Autoria: Maria do Carmo da Silva Santos/ Colunista do Tribuna do Recôncavo

Poema de Maria do Carmo: EXALTAÇÃO A SÃO ROQUE

Poema de Maria do Carmo: EXALTAÇÃO A SÃO ROQUE - poesia, catolicoFoto: Divulgação

Nas terras férteis de Mutuípe,

Irrigadas pelas águas do Rio Jiquiriçá,

Na história de vida do seu povo,

A fé sempre esteve a sustentar!

 

No passado da tua história,

Lembrança de uma triste epidemia.

O teu povo vitimado pela varíola,

Prematuramente à vida sucumbia!

 

Recursos humanos e medicinais escassos,

Condenavam teu povo à morte precoce.

Mas a fé, sustentáculo do cristão,

Encontrou o socorro em São Roque. (mais…)

Poema de Maria do Carmo: “São João, festança boa!”

Poema de Maria do Carmo: "São João, festança boa!" - sao-joao-2018, poesiaFoto: Pixabay

Fogos estouram no ar envolto pela neblina.

As chamas das fogueiras reluzem, anunciando um típico clima.

Bandeirolas multicores decoram ambientes.

É noite de São João! Alegria no coração de toda gente!

Milho, canjica e amendoim para comer e partilhar.

O povo é convidado a arrastar o pé e forrozear.

Estrelas enfeitam o céu com seu brilho natural.

Vestimentas coloridas dão à festa um toque especial.

Forró é o estilo musical predominante!

O toque da sanfona deixa o clima mais contagiante!

Quadrilha é a dança típica que anima o adulto e a criança.

É noite de São João! Vamos cair nesta festança!

Autora: Maria do Carmo/ Colunista do Tribuna do Recôncavo

Poema de Ylvange Tavares “MÃE”

Ser Mãe é abdicar

da sua vida

pela vida

do seu Filho.

 

Escravizar-se

pelo resto da vida

em prol do seu filho.

 

Perder noites de sono,

enquanto seu filho

não chega. (mais…)

Poema de Maria do Carmo: SONHOS E REALIDADE

Poema de Maria do Carmo: SONHOS E REALIDADE - poesiaFoto: Divulgação

O Onipotente sonhou com a vida e a fez existir.

A vida necessitou do amor para sobreviver e ele existiu.

O amor precisou de um instrumento para apoiar-se e encontrou o homem.

O homem sentiu necessidade de proteger esse amor e o colocou no coração.

O coração o acolheu, mas também desejou transmiti-lo aos outros.

Cada ser o acolhe e o expressa de forma única, pois cada ser é diferente por natureza e o que dá sentido á vida é essa partilha de diferentes valores.

Mas o amor precisa ser descoberto nos mais diferentes lugares e situações que se encontre escondido:

No desespero da mãe que vê seus filhos desfalecendo de fome.

No trabalhador que consome sua vida pelo bem-estar do patrão e o que recebe mal dá para o pão.

No jovem angustiado por ser vítima do desemprego.

Na criança faminta e desprotegida que vaga pelas ruas e dorme embaixo das marquises.

No idoso cuja vida foi um constante sacrifício pela sobrevivência e que hoje ainda tem que sustentar a família com uma mísera aposentadoria.

Eis aí algumas das inúmeras pistas para descobrirmos o amor sufocado, implorando por sobrevivência e dependente das nossas atitudes para salvá-lo.

Autoria: Maria do Carmo da Silva Santos/ Colunista do Tribuna do Recôncavo

Poema de Maria do Carmo: LOUVOR A MARIA

Poema de Maria do Carmo: LOUVOR A MARIA - poesiaImagem: formacao.cancaonova

Maria de Nazaré.

Mulher da escuta.

Mulher do silêncio.

Sacrário da fé.

 

Maria da humildade.

Mulher do serviço.

Mulher orante.

Exemplo de caridade.

 

Maria da peregrinação.

Mulher destemida.

Mulher por Deus escolhida.

Medianeira dos cristãos. (mais…)

Voltar à página inicial