O secretário de Estado norte-americano garante que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) está “preparada para impor custos severos” contra Moscou, caso haja tentativa de invasão contra Kiev. Antony Blinken reforçou os avisos na véspera de uma reunião com o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, em Estocolmo. Após encontro com ministros dos Negócios Estrangeiros da Otan em Riga, na Letônia, Blinken garantiu que as defesas da organização serão reforçadas “no flanco oriental”.

Ele afirmou que ainda não há sinais claros de uma decisão de invasão, mas que o presidente russo, Vladimir Putin, se está se preparando para esse cenário: “Ele está criando capacidade para fazer no curto prazo, caso decida avançar. Por isso, apesar da incerteza sobre as intenções e o timing, devemos nos preparar para todas as contingências, enquanto trabalhamos para que a Rússia reverta a trajetória”, alerta. Sem garantir uma intervenção militar ou outro tipo de ação concreta numa eventual resposta a Moscou, Washington assegura que permanece “inabalável no apoio à soberania e integridade territorial da Ucrânia”.

“Se a Rússia seguir o caminho do confronto, deixamos claro que responderemos com determinação, inclusive com uma série de medidas econômicas de grande impacto que evitamos adotar no passado”, afirmou Blinken. Diante de “evidências de que a Rússia está planejando movimentações agressivas significativas contra a Ucrânia”, o chefe da diplomacia norte-americana adiantou que os Estados Unidos (EUA) anunciariam as consequências “no momento apropriado”. Nesta quinta-feira, o ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba, disse ter debatido com Antony Blinken, mas também com o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, a imposição de sanções econômicas para dissuadir Moscou de uma futura agressão contra Kiev.

Agência Brasil