Após perceber que muitas alunas faltavam aulas mensalmente, sempre no mesmo período, Edcleia Pereira Dias, diretora da Escola Municipal Cosme de Farias, em Camaçari/BA, na Região Metropolitana de Salvador, fez um levantamento e descobriu que o motivo das faltas era a dificuldade financeira para comprar produtos de higiene no período menstrual. Observando essa realidade, Edcleia criou o Banco de Absorventes.

O projeto teve início em 2015 atendendo 14 alunas, cujas doações eram feitas por funcionários da escola, depois de um certo tempo o projeto passou a receber doações do comércio local, de autônomos e de outras pessoas. A escola chegou a entregar em 2019 e 2020 dois pacotes de absorventes por mês para cada aluna, beneficiando 270 mulheres. A distribuição continuou nesse tempo de pandemia.

DICA DE EDCLEIA SOBRE MONTAGEM DE CESTA BÁSICA

“Ao montar uma cesta básica inclua itens de higiene pessoal, como: sabonete, desodorante, aparelho de barbear e pacotes de absorvente. Se você tem esses produtos em casa e acha necessário, para quem vive em situação de pobreza também é”.

Na entrevista abaixo, concedida ao repórter Hélio Alves, Edcleia explica como foi quebrar o tabu para lidar com um assunto tão delicado que é a menstruação. Ela também dá dicas para quem deseja implantar em sua comunidade um Banco de Absorventes.

Você pode ajudar o Banco de Absorventes da Escola Cosme de Farias enviando qualquer quantia em dinheiro via pix para: edicleiapereira@gmail.com

Reportagem e redação: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo