No dia seguinte à aprovação em primeiro turno do texto-base da reforma da Previdência, o presidente Jair Bolsonaro lamentou a necessidade de fazer mudanças no atual regime de aposentadorias. Em conversa com apoiadores, na entrada do Palácio da Alvorada, na manhã desta quarta-feira, 02, Bolsonaro disse que não há “plano B” para o déficit previdenciário e ressaltou que gostaria “de não ter de mexer em muita coisa”.

“Essa reforma é necessária. Se não fizer, quebra o Brasil em dois anos. Eu lamento, tem que aprovar, não tinha como. É uma maneira de darmos um sinal de que estamos fazendo o dever de casa. Não tem plano B nem para mim nem para ninguém que estivesse em meu lugar”, disse. O presidente lembrou que governos anteriores tentaram aprovar uma reforma previdenciária, mas não conseguiram e comparou as mudanças no regime previdenciário à necessidade de, no ambiente doméstico, “dar uma dura no moleque em casa”.

“É uma realidade, gostaria de não ter de mexer em muita coisa. Mas se não mexer, é igual de vez em quando ter de dar uma dura no moleque em casa. Mesmo dando dura, às vezes, sai coisa errada lá na frente”, disse. O presidente não quis responder às perguntas dos jornalistas e não foi questionado pelos simpatizantes sobre a derrota no artigo que estabeleceria mudanças nas regras do abono salarial.

Metro1