O público que aguardava uma live de Racionais MC’s vai ter que esperar a pandemia acabar para assistir a um show ao vivo do coletivo. Os artistas recusaram um cachê de R$ 100 mil para fazer a apresentação nas redes sociais, mesmo redirecionando o valor para doações por se sentirem inseguros com a pandemia. Em entrevista sobre empreendedorismo, a empresária Eliane Dias, CEO da Boogie Naipe, empresa que cuida dos Racionais MCs e Mano Brown, afirmou que estão todos tristes com a situação.

“Quando uma marca me oferece R$ 100 mil para fazer uma live, com a possibilidade dessa live arrecadar algum tipo de doação para doar para alguém, eu sinto dor de estômago quando eu recebo não. Mas eu não tenho nem o que discutir. Se todo mundo quer Racionais, e Racionais não quer fazer… Por N motivos: estão muito tristes com o que está acontecendo, estão inseguros com a questão da quebra do isolamento, de estarem num lugar com oito, dez pessoas”, diz Eliane Dias, CEO da Boogie Naipe, empresária dos Racionais MCs e Mano Brown.

Eliane ainda pontuou os reflexos da crise no setor cultural: “A gente tinha condição para oferecer ajuda para essas 38 pessoas (que compõe a banda, por completo),mas não é assim com todo mundo. O fim dos shows impacta do segurança das casas de shows até as agências de viagem. A gente vive o momento com o mínimo que podemos viver”.

Redação: Bahia.Ba | Informações: Canal Futura