Por Waldir Santos

3 de maio é o dia Mundial da Liberdade de Imprensa. Nesse dia o prefeito de Morro do Chapéu, Leonardo Rebouças Dourado Lima, habituado a agredir pessoas em público, pelo que já vimos em diversos vídeos, soube que havia na delegacia da SUA cidade um repórter registrando um boletim de ocorrência por ter sido agredido pelo Presidente da Câmara Municipal, o Vereador Antonio Rocha, depois de questioná-lo sobre possíveis atos de improbidade. O prefeito achou que a pancada não tinha sido suficiente, e, ali mesmo na delegacia, diante de diversos policiais, durante o registro, bateu no repórter Gabriel Bandarra. Afinal, onde já se viu!!?? Tratar do tema corrupção no SEU município!!??

O prefeito teve uma ideia genial. Rumando a mão na cara do repórter, provavelmente conseguiria fazer com que ele não publicasse as denúncias que o levaram àquele Município. Só que não. A sua postura permitiu que fosse revelado a muito mais gente o seu histórico nada recomendável, que inclui a troca da fechadura da sala da vice-prefeita para que ela não tivesse acesso à própria sala, e a decisão da Justiça determinando que ele exonere a própria mãe, a prima, o marido da prima e duas irmãs do marido da prima, pessoas que ele nomeou para três secretarias, uma diretoria e uma coordenação na administração municipal.

A lei que temos, e que facilita a vida de corruptos, permitindo que eles recebam mais dinheiro público enquanto desviam o que já receberam, também facilita a vida de pessoas agressivas. E o prefeito não foi preso, já que assinou o tal termo circunstanciado.

O que levaria alguém, acusado de diversos atos de corrupção, a perder o controle de tal forma e em público? O desespero, a certeza da impunidade, ou uma mistura dos dois fatores?

Admiro o trabalho criativo e original de Gabriel Bandarra e do seu excelente personagem Tenóbio. Precisamos de mais repórteres e humoristas assim, capazes de constranger ladrões que matam pobres por falta de assistência à saúde, que roubam o futuro de crianças do sertão e das periferias ao desviarem o dinheiro da merenda. Agindo sempre de forma responsável, com base em documentos originários de órgãos oficiais, Tenóbio conseguiu desta vez tirar do sério dois acusados, que revelaram seu primitivismo social usando tapas e socos para responder aos questionamentos, que são os mesmos dos cidadãos de bem de Morro do Chapéu e do Brasil.

Pela agressão sabemos que nada acontecerá, já que a lei promove a impunidade. O episódio, no entanto, certamente deverá servir para que andem mais agilmente, por exemplo, as ações de improbidade existentes contra o agressor, e para que novos casos de má conduta administrativa dele se tornem conhecidos.

O Brasil precisa acordar para banir da política o que resta de pessoas assim.

Sobre o autor:

Waldir Santos (@waldirsantosoficial) é Advogado da União, voluntário do Conselho de Cidadãos (www.conselhodecidadaos.com.br) e colunista do Tribuna do Recôncavo.