Segundo estudo do Atlas Mundial da Obesidade, o mundo deve registrar cerca de um bilhão de pessoas obesas até o ano de 2030. Ou seja, 17,5% de toda população do planeta sofrerá com a doença. Os dados mostram que uma a cada cinco mulheres será obesa, enquanto um a cada sete homens sofrerá com o quadro daqui a oito anos.

“A obesidade não deve ser pensada apenas pela face da estética, pois os problemas provocados pela doença vão muito além disso. Estamos falando sobre saúde. O excesso de gordura no organismo pode comprometer o funcionamento dos órgãos, a circulação sanguínea e causar muitos outros problemas”, explica Leandro Dias, coordenador da Alpha Fitness.

Esse estudo mostra também que 29,7% da população adulta do Brasil viverá com a obesidade em 2030, o que significa que quase um terço dos brasileiros adultos será obeso. E o alerta já vem sendo dado… o Brasil está entre os 11 países onde vivem metade das mulheres obesas do mundo e entre as 9 nações que abrigam metade dos homens obesos. Um ponto agravante – e que colaborou para esse aumento – foi a pandemia da Covid-19. Nesse período de dois anos de isolamento social, aumentou consideravelmente o número de brasileiros com sobrepeso, segundo dados do Ministério da Saúde.

“Uma vida ativa sempre traz benefícios. O Covid-19 fez com que muita gente interrompesse suas atividades durante o confinamento, mas é necessário retomar esse hábito, para que sejam combatidos os riscos do sedentarismo”, explica Leandro.

Ter uma rotina de exercícios é fundamental para a saúde e o bem-estar. Pode ainda prevenir e tratar doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e até mesmo o câncer. Também reduz os sintomas da depressão e a ansiedade – que se acentuaram com a Covid; o declínio cognitivo, e melhora a memória e a saúde geral do cérebro.

ASCOM