Quase 5 milhões de contribuintes ainda não declararam o IRPF de 2020. Devido à pandemia do novo coronavírus, a entrega desse ano foi prorrogada do dia 30 de abril para o dia 30 de junho.

“Vale lembrar que o não cumprimento da obrigação deverá gerar multa, além de bloqueio no CPF, ocasionando outras sérias dificuldades na abertura de conta corrente, realização de empréstimos e até mesmo o recebimento de aposentadoria”, destaca o professor de direito, especialista em Direito Tributário, Dr. Caio Bartine.

Sobre o autor

Caio Bartine é Advogado na área de Direito e Processo Tributário, Doutor em Direito, com MBA em Direito Empresarial (FGV), e sócio do escritório HG Alves.

Matéria: M2 Comunicação