Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), divulgados no portal do Monitoramento de Queimadas e Incêndios Florestais, mostram uma elevação de 78% nos focos de queimadas na Bahia em agosto*. Em julho, eram 530 focos em todo estado, no mês seguinte o número foi para 947. Esse aumento vem acompanhado dos alertas de baixa umidade em municípios do oeste baiano, o que intensifica os riscos de incêndios florestais na região.

O uso do fogo de forma inadequada para limpar e preparar terrenos potencializam as ocorrências de queimadas, e trazem danos ambientais incalculáveis, além de afetar a rotina de muitos baianos. Associada as condições climáticas já adversas, essa prática, quando feita próxima as linhas de transmissão ou distribuição podem impactar o fornecimento de energia em muitas localidades.

As queimadas podem provocar a interrupção de energia, mesmo que as chamas não atinjam os condutores elétricos. Isto acontece devido ao arco voltaico, gerado pela ionização do campo eletromagnético em volta dos condutores, originando os curtos-circuitos.

“A fuligem e o calor tornam o ar capaz de conduzir corrente elétrica entre a fiação e o solo, ou entre os cabos da linha de transmissão. Isto pode provocar o desligamento da linha e a interrupção do fornecimento aos clientes. O calor e o fogo também provocam danos aos cabos e postes da rede elétrica”, explica Eder Ferreira, gerente de subtransmissão do Setor Sudoeste da Neoenergia Coelba.

Ações preventivas da Neoenergia Coelba

Antes mesmo do período de estiagem, a Neoenergia Coelba iniciou um plano de ações preventivas para evitar que as queimadas possam gerar danos ao sistema elétrico. Para isso foi realizado o aceiro em mais de 90 mil metros quadrados no município de Bom Jesus da Lapa, por exemplo.  A companhia também realizou a limpeza em faixa de vegetação e o aceiro próximo a 102 estruturas elétricas nos municípios de Xique-Xique, Barra, Boquira, Irecê, Barreiras e São Desidério.

A distribuidora lembra que se deve evitar plantar dentro da faixa da linha de transmissão, assim como realizar a colheita manual com o uso do fogo. A orientação é que os agricultores deem prioridade à colheita mecânica.

O decreto 2.661, de julho de 1998, proíbe a realização de queimadas em áreas que ficam a pelo menos 15 metros de distância de linhas de transmissão e distribuição e, no mínimo, 100 metros afastadas das subestações. Não é permitido ainda plantar em áreas até cinco metros das redes de distribuição.

Para evitar as queimadas e garantir a qualidade do fornecimento de energia, a Neoenergia Coelba reforça dicas:

  • Fumaça saindo de dentro de um carro
  • Descrição gerada automaticamente com confiança médiaNão coloque fogo em terrenos baldios ou lixões;
  • Apague com água as fogueiras em acampamentos para evitar que o vento leve as brasas para a mata;
  • Não jogue pontas de cigarro acesas em acostamentos de rodovias ou regiões de matas;
  • Não queime lixo, principalmente próximo a culturas e vegetação. O ideal é separá-lo corretamente e depositá-lo nos locais de coleta indicados por seu município.
  • Não jogue pontas de cigarro nas faixas de rolamento das estradas.
  • Não fazer queimadas para limpar pastagens ou áreas de plantações;
  • Caso um foco de incêndio que atinja a rede elétrica seja identificado, não deve ser apagado com água. O mais seguro é acionar o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193. Entre em contato também com a Coelba através do número 116.

*Dados retirados do INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2022. Portal do Monitoramento de Queimadas e Incêndios Florestais. Disponível em http://www.inpe.br/queimadas. Acesso em: 01/09/2022.