Nesta quarta-feira, dia 26, mais de 100 professores e professoras do sistema municipal de ensino em Castro Alves (BA) saíram às ruas com apitos e faixas em mobilização para cobrar do município o reajuste anual do Piso do Magistério da Educação Básica.

De acordo com a portaria publicada pelo Ministério da Educação, o índice do reajuste é de 33,24% para 2022, o que estabelece um valor de R$ 3.845,63. Mas em Castro Alves professores e professoras estão sem reajuste salarial há dois anos, enquanto a inflação bate recordes seguidos, derrubando o poder de compra dos trabalhadores e trabalhadoras.

No movimento desta quarta-feira a categoria se concentrou em frente à Sede do Sindicato, e foram em direção à Câmara de Vereadores. Logo após, passaram pela Secretaria de Educação e encerraram o ato na Feira Livre. Os vereadores foram pegos de surpresa com a ocupação da categoria na Sessão Ordinária.

A tribuna foi utilizada pela professora Alina Rita, coordenadora da Regional Serrana, professor Gilvan Dias, coordenador da APLB Castro Alves e pela professora Isabel Cruz, filiada ao Sindicato. Ambos destacaram a luta da APLB na defesa dos direitos e tentativas de negociações com a Gestão Municipal.

“Nossa mobilização é pelo reajuste salarial. Nós nunca estaremos ao lado do opressor. A nossa voz não vai ser calada por alguém que disse que vai cortar aquilo que você já ganha pouco. Isso é vergonhoso”, disse Gilvan Dias, fazendo menção ao oficio-resposta que a Secretaria de Educação enviou ao Sindicato, ameaçando cortar o salário dos professores e professoras que participassem da paralisação.

Matéria: Ivisson Costa/ Jornalista

Castro Alves: Professores fazem apitaço e cobram pagamento do piso salarial - noticias, destaque, castro-alves

Foto: Divulgação