Um rato vivo foi encontrado em uma das travessas de comida do refeitório da Unidade 18 da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), localizada no município de São Francisco do Conde (BA), na noite do último dia 08. Os trabalhadores fotografaram a cena, mas não conseguiram jantar naquela noite. Segundo a Embrapa, os ratos podem transmitir mais de 35 doenças ao ser humano, sendo as mais conhecidas leptospirose, peste bubônica, tifo e salmonelose.

A foto do rato no prato de comida circulou nas redes sociais da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e de sindipetros filiados. Segundo Deyvid Bacelar, coordenador-geral da FUP, se mostrou indignado com a situação. “Além de vender os combustíveis mais caros do que as refinarias da Petrobrás, a Acelen ainda parece ter diminuído a qualidade da alimentação dos funcionários. É um absurdo que, depois de horas de trabalho, o trabalhador chegue com fome no refeitório da empresa e dê de cara com um rato no meio da comida. Saíram todos com fome, ninguém consegue ter a tranquilidade de comer depois de ver essa cena”, disse.

A direção da Acelen respondeu, em nota, que foi uma situação pontual, na unidade 18, e que foram iniciadas investigações para identificar as possíveis causas do problema. “A empresa contratada segue rígidos processos de segurança alimentar com auditorias mensais e controle de pragas exigidos pela legislação e pela Acelen para garantir a segurança de todos”, explicou.

Bahia.Ba