O “novo normal” conserva os velhos métodos de pressão que o corpo funcional busca instintivamente suportar; mas o resíduo, se não descarregado, pode gerar traumas.

No áudio abaixo a doutora e mestre em Comunicação e Semiótica, Simone Bambini, comenta como a Pandemia tornou mais evidente a vulnerabilidade do corpo diante das pressões decorrentes das demandas de trabalho.

Sobre a autora:

Simone Bambini é doutora e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP, coordenadora do Curso de Relações Públicas da FAAP, pesquisadora sobre o estudo do corpo no ambiente corporativo, terapeuta em SE – Experiencing Somatic e autora do livro: O corpo como posicionamento da marca na comunicação empresarial.