Por Vanessa Blum Colloca – economista 

Como explicar a disparada do dólar hoje? Primeiramente, a inflação nos Estados Unidos, que subiu 4.2% na comparação anual de abril, o mais acelerado avanço desde 2008. Depois, o índice de preços ao consumidor subiu 0,8% de março para abril, bem acima da previsão de 0,2%. Esse avanço faz com que os investidores americanos temam uma aceleração da inflação acima do esperado e o temor de o FED retirar parte dos estímulos à economia antes do esperado.

Internamente, a CPI da covid está tensa com as contradições no depoimento do ex-secretário de comunicação, Fábio Wajngarten, em relação ao seu depoimento em outros veículos. Inclusive, ameaça de prisão dele feita pelo relator Renan Calheiros. A tudo isso, o câmbio reage e segue dólar para cima.

Após o fechamento do mercado, ainda saem balanços do trimestre de diversas empresas, dentre elas, Suzano, Via Varejo e BRF. Como você pode ver, análises de longo prazo no dólar são pouco confiáveis quando se fala de Brasil, e, em tempos de covid e governo Bolsonaro, ainda podemos ter muitas surpresas pela frente.

Sobre a autora

Vanessa Blum Colloca, diretora da corretora de câmbio Getmoney, economista pela PUC-SP e especialista em câmbio e mercado financeiro pela FGV e pela ABRACAM (Associação Brasileira de Câmbio).

Matéria: Comuniquese6