Foi determinado pelo ministro Aroldo Cedraz, do Tribunal de Contas da União (TCU), que a Caixa Econômica Federal apresente, em até 24 horas, todos os documentos requeridos pelo órgão sobre o funcionamento dos empréstimos consignados disponibilizados pelo programa Auxílio Brasil.

Diante disso, a instituição financeira terá que dissecar a iniciativa, e precisará encaminhar para o TCU notas técnicas, rentabilidade, inadimplência esperada, pareceres, gestão de riscos, taxas de juros, critérios de concessão e aprovação da linha de crédito. O ministro também propôs ao banco que suspendesse atividades relacionadas aos empréstimos consignados enquanto os documentos apresentados estavam em análise.

Entretanto, apesar da sugestão, somente quem tem o poder de tomar esta decisão é a Caixa Econômica, isso porque Cedraz não determinou que isso acontecesse, portanto, não é uma medida que obrigatoriamente deve ser seguida. Além do ministro, o subprocurador-geral do Ministério Público, Lucas Rocha Furtado, declarou que a iniciativa realizada pela Caixa de realizar empréstimos por meio do Auxílio Brasil se trata apenas de uma estratégia eleitoral. Até o momento, a instituição financeira não se pronunciou oficialmente a respeito do assunto.

Metro1