A poupança registrou o maior índice de captação do ano em junho. A informação é da Agência Brasil. De acordo com o Banco Central (BC), apenas neste mês os brasileiros depositaram em suas contas-poupanças R$ 7,09 bilhões a mais do que sacaram.

De acordo com o professor do ISAE Escola de Negócios, Pedro Salanek, o aumento se deve à diminuição de despesas. ‘‘No início do ano, os brasileiros precisam pagar IPTU e IPVA, por exemplo, o que dificulta a reserva de dinheiro, diz. ‘‘Além disso, entre o final de março e o início de abril de 2021, houve também o pagamento do auxílio emergencial, o que, de certa forma, justifica um aumento nos depósitos em poupança’’, afirma o especialista.

Apesar disso, o professor destaca que a poupança não é a melhor opção para fazer com que o dinheiro guardado renda de uma maneira satisfatória. ‘‘O mercado financeiro já tem sinalizado isso há algum tempo, até pelo fato de a taxa Selic estar baixa, se comparada a anos anteriores, apesar das altas dos últimos meses’’, diz Salanek.

Segundo o especialista, a poupança é muito utilizada no Brasil porque o brasileiro não tem um olhar de investidor e, sim, de poupador. ‘‘Para esse perfil de brasileiro que não está preocupado com o rendimento do seu dinheiro, e sim com o pensamento de guardar dinheiro, a poupança pode ser considerada como uma boa opção’’, conclui.

O professor destaca ainda a importância de não ficar sem uma reserva financeira de emergência. ‘‘Isso é fundamental, tanto para ter acesso a um recurso próprio em um momento de dificuldade, como a pandemia, quanto também para alguém que planeja fazer algum tipo de investimento’’, afirma. ‘‘A dica é encontrar a modalidade que a pessoa ache mais adequada para cada interesse e começar a investir o quanto antes, claro que isso precisa ser feito após estudar sobre o assunto e entender as modalidades existentes’’, conclui Pedro Salanek.

Matéria: Lola Dias/ P+G Comunicação Integrada