Com o ano novo, os planos para os próximos 12 meses começam a ser construídos. E claro que não podemos esquecer do tão desejado equilíbrio dos orçamentos familiar e pessoal. Mas será mesmo possível manter o orçamento no azul?

Segundo a coordenadora do curso de Administração da Faculdade Anhanguera, Barbara Barbosa Cabral, com planejamento, inteligência emocional e um pouquinho de esforço, é possível sim equilibrar as despesas, ter o nome limpo na praça e ainda economizar para o futuro.

“Apesar da questão financeira ser uma grande preocupação da maioria dos brasileiros, poucos, de fato, fazem um controle adequado da sua renda disponível ou se preocupam em manter uma reserva para emergências e investimentos, e a falta desse lastro financeiro acaba gerando o indesejado endividamento. Mas seguindo algumas dicas e tendo disciplina, é possível sim manter as finanças no azul, e o início de ano é uma ótima oportunidade para iniciar novos hábitos financeiros”, aponta Barbara.

A seguir, a especialista dá dicas de como economizar:

1 — Identifique suas receitas e despesas

Os números nunca mentem, e o primeiro passo para ter o controle das finanças pessoais é colocar na ponta do lápis todas as suas receitas e despesas. Para esta tarefa, vale tanto usar uma planilha no computador, um livro caixa ou as várias opções de aplicativos disponíveis para celulares.

Importante definir com clareza quais são os gastos fixos (aluguel, financiamentos, prestações de compras, transporte, plano de saúde, educação, contas de água, luz e telefonia; além das compras do mês no supermercado e comida delivery), quais são os gastos variáveis (idas a cinemas e museus, ou saídas para bares e restaurantes) e ainda prever um valor para gastos extraordinários, como a compra de remédios, por exemplo.

Ao listar todos os seus gastos, desde as pequenas compras até as mais caras, será possível ter uma visão ampla da utilização da renda disponível e de posse dessas informações virá o entendimento dos gastos supérfluos em bens e serviços que são os principais vilões para quem deseja criar a sua reserva financeira.

2 — Pague as contas em dia ou negocie a sua dívida

Nada de receber o salário e procrastinar o pagamento das suas contas. Sabe as brincadeiras que são compartilhadas na internet de que o dinheiro mal descansa na conta? É melhor mesmo que ele não fique parado! Os juros de atrasos dos pagamentos, mesmo que sejam baixos, fazem diferença no final do mês!

Já para quem está com o orçamento em desequilíbrio, é interessante renegociar as dívidas. Os juros do cartão de crédito, por exemplo, costumam ser maiores do que os juros de um empréstimo pessoal. Então, faz mais sentido quitar o rotativo com dinheiro emprestado pelo banco, pagando a dívida diluída em forma de empréstimo.

Outra boa dica é sempre pesquisar antes de efetuar uma compra, pelo menos três cotações diferentes, e optar por fornecedores de serviços que ofereçam vantagens ou valores menores. Vale pesquisar qual empresa de telefonia oferece o melhor plano, e até mesmo qual academia tem mais vantagens para fidelizar o cliente.

3 — Repense seus gastos

Você precisa comprar cinco camisetas ou sapatos novos? Aquele eletrodoméstico ou objeto para a sua casa é realmente importante? É necessário aceitar todos os convites dos seus amigos para ir ao barzinho? Por que em vez de almoçar todos os dias fora, você não leva aquela deliciosa comida caseira para o trabalho?

Pequenos gastos que individualmente poderiam parecer inofensivos quando somados aumentam consideravelmente uma dívida previamente construída. É preciso sempre levar em consideração que um incremento na dívida financeira sempre será acrescido dos juros.

Se for indispensável comprar algum produto ou serviço, pesquise qual empresa tem o melhor preço, ou ainda se é possível receber cashback, uma porcentagem de dinheiro de volta. Buscar por programas de pontos ou descontos à vista também são boas saídas para economizar.

4 — Planeje compras, investimentos e gastos importantes

O planejamento é a chave do sucesso para poupar dinheiro. É bem mais fácil cortar um gasto para usar o dinheiro na realização de um sonho, como por exemplo comprar a casa própria, um carro novo, ou ainda fazer aquela super viagem de férias. Ter certeza do que realmente é importante para você também vai te ajudar a fazer escolhas e cortes no orçamento.

5 — Tenha uma reserva para emergências

A gente nunca sabe quando vai ter um imprevisto. A perda de um emprego, o carro que bateu, um amigo ou familiar que está em situação delicada e precisa de ajuda, e até mesmo um caso de doença inesperada.

Por isso, é importante ter uma reserva para emergências. Se você perdesse o emprego hoje, ou se tivesse que fechar o seu negócio, teria dinheiro para passar quantos meses tranquilo, sem preocupações? O ideal é ter guardado valores referentes ao total das suas contas mensais de três a seis meses.

6 — Se sobrar dinheiro, invista

Sobrou um dinheirinho? Então invista esse excedente para o futuro próximo e para a aposentadoria! Muita gente acha que investir necessariamente significa guardar grandes quantias, mas você pode começar com pouco, e ir aumentando os investimentos com o passar do tempo. O importante é começar! Não deu para guardar dinheiro em determinado mês? Compense no próximo! A constância é o segredo para alcançar o objetivo final a longo prazo.

Para quem é mais “tradicional”, a poupança é um bom e velho conhecido para depositar as economias. Já para quem é mais “ousado”, por que não investir em ações do mercado financeiro? Há diversas opções de investimentos, seja para quem quer arriscar pouco, com rendas previsíveis; seja para quem prefere ter retornos maiores, correndo mais riscos.

Fontes: Anhanguera e Kroton