A importância da voz e os cuidados que se deve ter para manter o sistema vocal saudável foram o foco da videoconferência “Cuidados com a saúde vocal do trabalhador”, realizada pelo Programa Saúde do Professor, da Secretaria da Educação do Estado da Bahia, na terça-feira (23/04).

O evento, em comemoração ao Dia Mundial da Voz (16 de abril), reuniu professores da rede estadual no Instituto Anísio Teixeira, em Salvador, e foi transmitido para os 27 Núcleos Territoriais de Educação (NTE). O objetivo foi promover a conscientização sobre os cuidados e a preservação da voz, alertando os profissionais para as alterações vocais como possíveis sinais de doença.

A professora Selma dos Santos, do Colégio Estadual Raymundo de Almeida Gouveia, uma das integrantes da mesa-redonda sobre a temática, falou sobre os cuidados que os educadores devem ter ao longo do seu percurso profissional. “Como falamos muito em sala de aula, nos intervalos procuro descansar a voz fazendo leitura. Também bebo muita água e como, em média, cinco maçãs por dia. Este programa, portanto, é importante justamente porque acolhe o professor, atende às suas necessidades”, disse a educadora.

O encontro, que integra a campanha nacional “Seja amigo da sua voz – minha voz e minha identidade”, idealizada pela Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, reuniu outros profissionais da voz, como o jornalista e radialista Jefferson Beltrão; e a cantora Carla Visi, que é a madrinha da campanha na Bahia.

A diretora científica e membro dos departamentos de Voz e de Saúde Coletiva da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, Maria Lúcia Vaz Masson, ressaltou as estratégias protetoras da voz do docente. “Hidratação direta e nebulização; amplificação vocal usado durante a aula; exercícios de fonação; e aquecimento e desaquecimento vocal são algumas estratégias de proteção da voz para que os professores possam exercer sua profissão de maneira segura. A ideia da campanha nacional da voz completou 20 anos e foi criada para divulgar os cuidados vocais. A gente acredita que sintomas como rouquidão são normais, principalmente em professores, mas eles podem estar associados a alguma doença mais importante, como o câncer de laringe. Nossos educadores usam a voz de maneira intensa e isto gera, de fato, uma sobrecarga vocal”, disse a especialista, destacando a parceria do Ambulatório de Voz Profissional – Serviço de Fonoaudiologia da UFBA (Rua Padre Feijó, 240 – Canela) com a Secretaria da Educação do Estado, por meio da qual professores da rede podem ser atendidos, às quartas-feiras.

Representando o secretário Jerônimo Rodrigues, a superintendente de Recursos Humanos, Maria do Rosário Muricy, falou sobre a importância do Programa Saúde do Professor, da SEC. “Dar continuidade a este projeto de cuidado com a saúde do professor é muito importante. Temos 27 mil professores efetivos na rede estadual e promover a saúde desses profissionais e prevenir doenças é garantir vida saudável e, consequentemente, uma educação com mais qualidade. Estamos, hoje, desenvolvendo este trabalho em Salvador e na Região Metropolitana, mas a nossa intenção é estendê-lo em todo o Estado”.

Editado por Tribuna do Recôncavo | Informações: ASCOM/ SEC