Dos R$ 500 milhões disponibilizados pelo governo federal junto ao BNDES em linha de crédito destinada a caminhoneiros autônomos, apenas R$ 140 mil em pedidos de financiamento foram protocolados até o momento, conforme a entidade. O valor equivale a 0,028% do total disposto pelo Planalto.

O anúncio do crédito foi feito em 16 de abril pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que na época limitou os empréstimos a R$ 30 mil por caminhoneiro “para compra de pneus e manutenção dos veículos”.

No entanto, em agosto o BNDES elevou o limite de financiamento de R$ 30 mil para R$ 100 mil por transportador autônomo de carga. O banco também ampliou o prazo de pagamento de 30 meses para até 60 meses, e incluiu um prazo de 12 meses de carência.

Inicialmente o crédito poderia ser acessado pelos profissionais apenas nas entidades financeiras públicas como Banco do Brasil e Caixa. Em seguida o benefício poderia ser adquirido nos “demais bancos e cooperativas de crédito de todo o Brasil”. O BNDES afirmou que tem mantido conversas com agentes financeiros “para ampliar a base de repassadores do programa e torná-lo mais acessível aos caminhoneiros”.

Em grupos de caminhoneiros em um aplicativo de troca mensagens são constantes os questionamentos da categoria sobre as dificuldades para conseguir o empréstimo.

Reportagem e redação: Bahia Noticias