O presidente dos Comitês de Bacias Hidrográficas da Bahia (CBH-BA), Anselmo Caires, criticou a gestão dos comitês do Sul e Extremo Sul da Bahia em relação ao planejamento hídrico das cidades. As regiões foram as principais prejudicadas pelos fortes temporais do final no ano passado, deixando mais de 14 mil pessoas desabrigadas.

“Se os comitês do Extremo Sul da Bahia não têm plano de bacias, a gente precisa fazer um planejamento de crescimento populacional e urbanístico. Tudo isso é feito sem planejamento. O tamponamento dos rios vem sendo feito com concreto, afetando a circulação e causando a fadiga dos rios e invasão hídrica dos centros urbanos”, disse Caires.

Este será exatamente um dos focos do Encontro dos Comitês de Bácias Hidrográficas da Bahia (ECOBA), que acontece entre os dias 26 e 29, em Porto Seguro. Anselmo afirmou que será feita uma discussão na ocasião, visando amenizar os danos causados pelas fortes chuvas e corrigir os erros que ocasionaram nas catástrofes do ano passado.

A Associação de Municípios do Sul, Extremo Sul e Sudoeste da Bahia (Amurc) apontou que mais de 14 mil pessoas ficaram desabrigadas nas regiões no período. Ao todo, mais de 850 mil pessoas foram afetadas pela chuva no estado. As cidades que mais registraram prejuízos foram: Dário Meira, Itajuípe, Itapé, Itabuna e Itapitanga.

ECOBA

O Ecoba visa discutir os impactos ambientais causados pelos fortes temporais, além de métodos de prevenção, como a instalação de novas tecnologias e o trabalho com educação ambiental.

“O Ecoba se dará em um momento ímpar pela retomada dos eventos presenciais no pós-pandemia. Trata-se de uma oportunidade única para o restabelecimento das relações interpessoais que estão na gênese dos Comitês de Bacia Hidrográfica e que são a base para interlocução, tão fundamentais para o processo de aprimoramento das políticas públicas”, reflete Anselmo.

Bahia Noticias