Josiel Barreto fala sobre acessibilidade e implantação de passe livre municipal em Santo Antônio de Jesus

Josiel Barreto fala sobre acessibilidade e implantação de passe livre municipal em Santo Antônio de Jesus - saj, noticias, direitos, destaque, assistencia-social

Josiel Barreto, presidente do Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência em Santo Antônio de Jesus e membro da ASDEV (Associação dos Deficientes Visuais). Falou ao portal Tribuna do Recôncavo sobre acessibilidade em Santo Antônio de Jesus. De acordo com ele, a acessibilidade atitudinal tem melhorado, pois as pessoas estão mais conscientes sobre a necessidade de se dedicar a política das pessoas com deficiências e do papel dessas pessoas na sociedade. Mas, a acessibilidade da infraestrutura deixa a desejar, pois as calçadas e a falta de rampas dificultam a circulação dos deficientes. “Estamos trabalhando para efetivar a política pública da pessoas com deficiência. É um trabalho árduo”, declarou.

Com relação a ASDEV, ele informou que os serviços oferecidos para as pessoas com deficiências são artesanato, coral, curso de braile, libras e o projeto do passe livre intermunicipal. Para ter acesso ao passe livre, as pessoas devem fornecer a documentação para a ASDEV que encaminha para a Secretaria de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social em Salvador. Quem tem direito aos passes são as pessoas com deficiência que tem renda per capita de até um salário mínimo. Os documentos necessários são: formulário médico, um formulário da assistente social, comprovante de residência, número do NIS e uma cópia autenticada do RG. Se o médico informar que o deficiente precisa de acompanhante, ele tem direito a cadastrar até 3 pessoas.

O presidente do Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência informou que um termo de compromisso foi assinado com o município para implantar o passe livre municipal. O projeto é do Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência em parceria com a Prefeitura, Secretaria de Ação Social, Secretaria de Educação, Secretaria de Saúde e Secretaria de Assistência Social. Até então, quem fornecia os passes livres eram as empresas.

Para as pessoas terem acesso aos benefícios, elas devem procurar um dos 4 CRAES da cidade para se informar. Para ter acesso aos serviços oferecidos pela ASDEV, deve ir à sede da Associação que fica em frente o ponto de ônibus da feira, na Rua Celestino Pimenta. E para conhecer o trabalho e os benefícios do Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência, as pessoas podem ir na Casa dos Conselhos que fica na Rua Vereador João Silva, antiga Rua da Linha ou se informar através do telefone (75) 3631-3014. (Maíra Oliveira/Tribuna do Recôncavo)

Sapeaçu: Sem casa própria e sofrendo ameaças, cadeirante pede ajuda aos órgão competentes

Sapeaçu: Sem casa própria e sofrendo ameaças, cadeirante pede ajuda aos órgão competentes - sapeacu, destaque, assistencia-social

A cadeirante de prenome Edileuza, em entrevista ao radialista Felipe Pereira da Cultura FM, contou que está sendo ameaçada pelo suposto dono de um residência que ela invadiu, no complexo de casas populares do município.

Dona Edileuza, que foi candidata a vereadora pela coligação do atual prefeito, disse que não tinha mais condições de pagar aluguel, então, invadiu a residência que estava completamente abandonada. Segundo ela, a casa estava com a água e a energia cortadas e “cheia de mato”. Inclusive ela tem fotografias que comprovam a situação de abandono da casa.

Mãe de duas crianças, a cadeirante teme pela segurança de sua família, pois, o suposto proprietário a ameaçou de morte caso ela não deixe a propriedade. Assustada, dona Edileuza pede ajuda das autoridades municipais e o apoio da comunidade para resolver sua situação. Ela quer um lugar para morar com segurança, e ajuda com alimentação.

De acordo com Edileuza, ela já procurou ajuda na Secretaria de Assistência Social de Sapeaçu, mas até o momento sua situação não foi resolvida. Além disso, ela também procurou a Delegacia da cidade, onde, segundo ela, foi bem atendida e fizeram uma advertência ao suposto dono. Dona Edileuza reitera que, se seu problema não for resolvido, vai procurar emissoras de televisão para denunciar sua situação. (Maíra Oliveira/Tribuna do Recôncavo)

Voltar à página inicial