A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) será retirada do Programa Nacional de Desestatização (PND), conforme determinado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. O despacho publicado na segunda-feira, dia 2, orienta a revogação dos atos que dão andamento à privatização da estatal. O objetivo é assegurar uma análise rigorosa dos impactos da desestatização sobre o serviço público e sobre o mercado no qual está inserida a atividade econômica.

A partir da determinação, o ministro das Comunicações, Juscelino Filho, ressaltou que serão adotadas ações para fortalecer os Correios. “A intenção e a meta é reforçar o papel da empresa na oferta de cidadania como parceira dos programas sociais destinados à população carente e das regiões mais distantes através da sua incomparável capilaridade”, enfatizou.

O ministro Filho destacou, ainda, que o Ministério das Comunicações (MCom) irá ampliar os investimentos de modernização e “desencadear agressivo aporte de atualização do parque tecnológico e dos insumos logísticos, para seguir recuperando a imagem e a credibilidade dos serviços”.

Correios

Criado por lei em 1969, a ECT é uma empresa pública federal vinculada ao MCom. Atualmente, existem mais de 6,3 mil agências espalhadas em municípios do país garantindo aos brasileiros acesso à cidadania por meio da prestação de serviços postais, financeiros e de conveniência. A capilaridade dos Correios torna a empresa um importante instrumento de integração nacional.

MCom