A soteropolitana Madre Vitória teve processo de beatificação autorizado pelo Vaticano e o procedimento será aberto oficialmente na terça-feira, dia 19, pela Arquidiocese de Salvador. O pedido havia sido feito pelo arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger.

O reconhecimento da freira como santa, no entanto, não será no mesmo ritmo da canonização da Santa Dulce dos Pobres, que foi a terceira mais rápida da Igreja Católica, atrás João Paulo II e Madre Tereza de Calcutá. O motivo é que existe apenas a perspectiva de Dom Sebastião Monteiro da Vide, arcebispo da capital baiana na época da morte da Madre, em 1715, que registrou em biografia dela supostos dons sobrenaturais.

Além disso, também o fato da baiana ter vivido na segunda metade do século 17 dificulta a agilidade no processo, já que há impossibilidade de convocar testemunhas que tenham convivido com ela.

Informações: Correio | Redação: Metro1