A quarta edição do Festival Paisagem Sonora – Formação, Gestão e Difusão da Música, realizada em Santo Amaro, no Recôncavo da Bahia, começou nesta quinta-feira, 17 de novembro, tendo a música negra como estrela do dia. O evento, realizado pelo Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (Cecult/UFRB) e pela Fundação Nacional de Artes (Funarte), pela primeira vez teve o próprio Pavilhão de Aulas no município como espaço principal, num convite à comunidade para adentrar a universidade pública e tomá-la como parte dos vínculos locais.

O dia foi aberto, às 9h, por saudação de alabês, sob comando de Baba Pote, que entoaram cânticos e toques de candomblé para abençoar o evento. Depois, Danillo Barata, idealizador do projeto, e Daniele Canedo, que responde pela coordenação geral junto com ele, uniram-se ao reitor da UFRB, Fábio Josué dos Santos, para uma fala oficial. Em seguida, a primeira mesa da programação, “Artivismos urbanos: vagalumes, formigas e borboletas em alianças”, teve os palestrantes convidados Cíntia Fernandes (UERJ) e Micael Herschmann (UFRJ), que apresentaram resultados de uma pesquisa com redes musicais que ocupam o espaço público na cidade do Rio de Janeiro e na qual foi identificado um crescimento exponencial das práticas artivistas, que vêm pautando o ambiente artístico-intelectual na contemporaneidade.

No turno da tarde, duas mesas com trabalhos selecionados em chamada pública tematizaram “Gêneros, pós-gêneros, sexualidades e práticas musicais” e “Música em diálogo: palcos, presenças e personas”. Também foi oferecida uma oficina aberta de música com Giba Gonçalves, que tem sua arte e pesquisa centradas na percussão afro-brasileira. Fundador do projeto Batalá, que espalha o samba-reggae pelo mundo com mais de 45 bandas e 1.500 percussionistas, ele tratou da origem dos instrumentos de percussão com os participantes.

Ainda aconteceram o primeiro dia do curso “Pra quem quer viver de arte: direitos autorais na prática”, ministrado pela advogada Verônica Aquino, que seguirá até o final do festival, e o lançamento da terceira edição da “Revista Trilhos”, periódico editado pelo Cecult/UFRB com artigos científicos e trabalhos não acadêmicos na interseção entre cultura, arte e ciência.

Então veio a noite de música e festa, aberta pela prata da casa, o Coletivo Xaréu, formado por músicos, cantores e beatmakers estudantes da UFRB, sob coordenação do maestro Sólon Mendes. A noite seguiu com apresentações do grupo de afrojazz Solista Qué Base, do hip hop do haitiano Vox Sambou e do suingue vibrante da banda Afrocidade, que ferveu a pista santo-amarense.

SOBRE O PAISAGEM SONORA – O Festival Paisagem Sonora faz parte do Paisagem Sonora – Programa de Promoção da Música do Recôncavo da Bahia, uma realização do Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (Cecult/UFRB) e da Fundação Nacional de Artes (Funarte), com apoio da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Extensão (FAPEX) e da Pró-Reitoria de Extensão (Proext). Seu objetivo é promover a valorização da diversidade musical contemporânea a partir das tradições originárias de matrizes africanas e indígenas da música. Desde maio, o Programa vem desenvolvendo iniciativas de formação, qualificação profissional e difusão, de modo a contribuir para a promoção do intercâmbio entre fazedores da cultura, profissionais da música e a comunidade acadêmica, gerando conhecimento sobre a Música Popular Brasileira. Em sua quarta edição, o evento promove programação totalmente gratuita com 12 mesas de debate, um curso sobre direitos autorais, três oficinas de música, lançamentos de publicações e 12 shows, entre os dias 17 e 19 de novembro de 2022, na cidade de Santo Amaro.

 

CONFIRA PROGRAMAÇÃO DOS PRÓXIMOS DIAS

 

18 de novembro (sexta)

9h às 12h: MESA #04 – Cartografias, sons, redes e fluxos

9h às 12h: MESA #05 – Música em diálogo: a psicanálise, o improviso e o teatro

9h às 12h: MESA #06 – Indicadores Culturais_01

12h às 14h: CHEGADA DA CAMINHADA PELA VIDA E LIBERDADE RELIGIOSA

12h às 16h: ESTÚDIO ÁFRICA SANTO AMARO

14h às 16h: MESA #07 – Fomento, difusão e internacionalização da música

16h às 17h30: OFICINA DE MÚSICA #02 – Reivindicar poderes da contemporaneidade para o Recôncavo Baiano: uma introdução ao uso do sampler SP404, com Pedro Marighella

16h às 19h: CURSO DIA 2 – Pra quem quer viver de arte: direitos autorais na prática, com Verônica Aquino

19h às 20h: LANÇAMENTO #02 – Lançamento de livros

A partir das 20h: SHOWS – Neila Kadhí + Pedro Marighella e Pedro Filho + Sued Nunes + IFÁ feat Lazzo Matumbi

 

19 de novembro (sábado)

9h às 12h: MESA #08 – Cenas musicais negras e decoloniais

9h às 12h: MESA #09 – Formação em música e artes

9h às 12h: MESA #10 – Indicadores Culturais_02

14h às 16h: MESA #11 – Paisagens sonoras e cultura da conectividade

14h às 16h: MESA #12 – Política, gestão e economia da música

16h às 17h30: OFICINA DE MÚSICA #03 – Princípios básicos de mixagem para DJs, com Ian Valentin

16h às 19h: CURSO DIA 3 – Pra quem quer viver de arte: direitos autorais na prática, com Verônica Aquino

A partir das 20h: SHOWS – Samba Chula Renovação + Roberto Mendes + DJ Ian Valentin + Aila Menezes

 

IV FESTIVAL PAISAGEM SONORA

Formação, Gestão e Difusão da Música

Quando: 17 a 19 de novembro de 2022 (quinta a sábado)

Onde: Santo Amaro – Bahia

Pavilhão de aulas do Cecult | Arquivo Público de Santo Amaro | Ruas da cidade

Quanto: Programação totalmente gratuita

Site: www.paisagemsonorabahia.org

Apoio Cultural: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer – Prefeitura de Santo Amaro, Educadora FM Bahia e TVE Bahia

Apoio: Fundação de Apoio à Pesquisa e à Extensão (FAPEX) e Pró-Reitoria de Extensão (Proext)

Realização: Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (Cecult/UFRB) e Fundação Nacional de Artes (Funarte)

 

ASCOM