Os policiais militares e bombeiros do Estado da Bahia decretaram greve na tarde desta terça-feira, dia 8, em assembleia realizada em Salvador. O deputado e representante da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares (Aspra), Soldado Prisco (PSC), falou que a mobilização deflagrada, chamada de “segurança por segurança”, conta com a adesão de 10 mil policiais que votaram por unanimidade pela greve.

“Vocês que estão nos quartéis, fiquem nos quartéis, pois não tem segurança para você na rua”, declarou Prisco,   conclamou os policiais a aderirem ao movimento e permanecerem na sede da Associação Desportiva e Cultural da Coelba (Adelba).

Entre as pautas dos Militares, estão: melhorias do Planserv, cumprimento do acordo de 2014, solução para os problemas do novo sistema RH, reforma do Estatuto, código de Ética; periculosidade; auxílio Alimentação; reajuste da CET; plano de Carreira; cumprimento de ordem judicial e isenção de ICMS para Aquisição de Arma de Fogo para PMs e BMs.

O Comandante Geral da Polícia Militar na Bahia, Anselmo Brandão, afirmou que essa greve é um movimento político sem a adesão da PM, cuja intenção é criar clima de insegurança. Ele também garantiu o policiamento ostensivo em todo o estado e tranquilizou a população que deve manter sua rotina normalmente.

O comandante do 14º Batalhão da Polícia Militar em Santo Antônio de Jesus, o Tenente Coronel Cesar de Sá Pacheco, tranquilizou a população de SAJ e região e afirmou que o efetivo do 14º BPM está trabalhando normalmente. Sobre o movimento decretado pelo soldado Prisco, o Tenente-Coronel ressaltou que quem quiser aderir responderá pelos seus atos.

O governador Rui Costa negou a possibilidade de greve, e afirmou que o governo do estado tem estudado um novo modelo de promoções para os policias militares, e que esse modelo ideal será encontrado dialogando.

Redação: Tribuna do Recôncavo | Informações: Varela Noticias e Voz da Bahia