Uma falsa médica foi presa em flagrante após a equipe de fiscalização do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb) identificar que ela atuava sem registro profissional de médica, na manhã de segunda-feira, dia 19, se apresentando como profissional responsável pelo transporte de uma paciente do município de Santo Antônio de Jesus para Salvador.

Segundo o conselho, além de estar exercendo a medicina ilegalmente, a falsa médica carimbou e assinou um relatório que atestava está acompanhando a transferência de uma paciente em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), utilizando nome e CRM de uma médica devidamente inscrita no Conselho. Agora, a acusada está sendo investigada pela 13ª Delegacia Policial pelos crimes de falsidade ideológica e exercício ilegal da medicina.

A suspeita do crime teve início ainda em Santo Antônio de Jesus, quando médicos da unidade de saúde onde a paciente se encontrava internada notaram algumas incoerências na conduta da falsa médica e acionaram o Cremeb. Informados sobre o hospital de destino da ambulância, uma equipe de fiscalização do Conselho solicitou a identificação profissional da investigada, que informou não possuir identidade profissional nem pessoal.

Após flagrar o exercício da profissão sem que pudesse realizar a devida averiguação do seu registro no Cremeb, como previsto por lei federal, a autarquia acionou uma guarnição da Polícia Militar, que conduziu a suspeita para a delegacia civil mais próxima, no bairro de Cajazeiras, onde a mesma foi presa em flagrante. Após a prisão, ela foi ouvida e liberada mediante o pagamento de fiança.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Roberto Dias, a investigada informou ter cursado medicina na Bolívia, mas não apresentou devida diplomação nem documentos que comprovassem que ela buscou o Revalida para regularizar a possibilidade de registro em algum conselho regional de Medicina no Brasil.

Após ter ciência da ocorrência, a empresa responsável pela contratação da mulher buscou o Cremeb e informou ter sido surpreendida com a notícia e alegou que não tinha ciência de uma profissional sem habilitação no seu quadro de funcionários e se colocou à disposição para mais esclarecimentos. O caso seguirá para a Corregedoria do Conselho, que irá apurar os trâmites de contratação da investigada pela polícia.

Editado pelo Tribuna do Recôncavo | Informações: Bahia Noticias