Por Maria do Carmo

Acordei cedo como de costume. Fiz o ritual matinal pré escola: banho, café, transporte. Cheguei ao meu local de trabalho, a Escola.

Toca a campainha e lá fui eu para o cumprimento do meu ofício de professor, ao iniciar do letivo dia!

Adentro a sala de aula e saúdo os alunos: Bom Dia! Coloco a bolsa onde estão os apetrechos básicos de um professor ( livros, cadernos, lápis, caneta), sobre a mesa. Sento-me garbosamente, abro a caderneta para iniciar a chamada.

Ao remexer o interior da bolsa a procura de uma caneta, um esnobe e distinto “ser”, num voo rasante, atirou-se ao chão! A turma caiu numa crise de risos! Kkkkkkkk. Alguém exclamou: a barata saiu da sacola da tia!

Fiquei atônita mas fingir também achar graça! Pensava: Esta cena seria uma demonstração de imundície, descuido ou de sujeira ou simplesmente a barata pegou carona intencionalmente?

O problema é saber se ela foi a Escola com o intuito de ser aluna, professora ou simplesmente para fazer a tia passar vexame diante da classe!

Isto não é um conto de carochinha! É um conto baseado na real história de uma letrada baratinha!

Sobre a autora:

Maria do Carmo, residente na cidade de Mutuípe (BA), é autora da Coletânea Poética Retalhos de Vivências, tem poemas publicados em várias Antologias, sendo as mais recentes: Tabuleiro de Poesia, Seletos Versos, O Livro das Marias II e Sarau Brasil. Ela participa de eventos literários, sendo o mais recente no Palco aberto da III Feira Literária de Campina Grande/PB. Maria é professora da Escola Municipal Luís Eduardo Magalhães em Santo Antônio de Jesus e colunista do site de notícias Tribuna do Recôncavo.