Quando a estudante Clara Rêgo foi aprovada, em 2018, na faculdade de medicina, era o início de um sonho se realizando. Na época, a mensalidade do curso na Universidade Salvador (Unifacs) girava em torno de R$ 8 mil. Três anos depois, esse valor — que já era alto — está prestes a chegar aos R$ 11 mil. A organização anunciou, na última sexta-feira, dia 10, um aumento de 11,5% para o valor da mensalidade de 2022.1. Os alunos da instituição questionam a alta, que consideram desproporcional.

“É um aumento extremamente abusivo, acima da inflação, e em um momento em que eles não estão tendo muitos gastos, porque as aulas não estão sendo presenciais”, conta a estudante. Segundo Clara, os alunos da instituição já estão acostumados com os reajustes anuais nas mensalidades. No entanto, dessa vez o aumento foi muito maior que o esperado. “Antes, o aumento girava em torno de 5% anualmente”, afirma. Clara explica que a mudança aconteceu após a administração da Unifacs ser trocada. Até meados deste ano a Laureate era responsável pela faculdade, depois disso a Ânima Educação assumiu o comando da instituição.

Em nota, a Unifacs afirmou que o reajuste acontece anualmente, conforme contrato firmado com os estudantes. A instituição diz que o valor do reajuste refere-se à variação de custos e investimentos feitos. Sobre o valor desproporcional questionado pelos estudantes, a universidade afirmou que as planilhas com os custos estão disponíveis publicamente nas unidades da instituição. “Medicina é um sonho que não é só meu, mas também de meus colegas e de nossas famílias”, considera Clara que afirma ter amigos que cogitam abandonar o curso, por não poderem arcar com a nova mensalidade.

Metro1