A segunda edição do curso de atendimento pré-hospitalar para cães, idealizado e ministrado pela Polícia Militar da Bahia (PMBA), até este sábado (11), no Batalhão de Choque, em Lauro de Freitas, teve como objetivo formar em primeiros socorros o efetivo que já trabalha com cães policiais. As atividades desses animais na atuação junto à Polícia passam pela identificação de explosivos ou drogas, a busca por pessoas desaparecidas, suspeitas ou debaixo de escombros, além da abordagem terapêutica para crianças especiais (cinoterapia).

Nessas tarefas, que muitas vezes são impossíveis para os humanos, os cães também colocam em risco a própria vida. Assim como é o atendimento aos seres humanos, é preciso ter técnica para prestar os primeiros socorros ao animal ferido. Uma condução errada pode custar a vida ou os movimentos do cão. Por isso, o curso é ministrado por nomes renomados da área, incluindo médicos veterinários pertencentes à COC.

O curso, pioneiro no Brasil, reúne 24 alunos da Polícia Militar da Bahia, do Ceará, do Distrito Federal, da Paraíba e do Paraná, além da Polícia Rodoviária, do Corpo de Bombeiros e fuzileiros navais. Policial rodoviário federal, Pedro Galvão é um dos alunos do curso.

Cuidado com os cães

Os animais da Companhia de Operações com Cães também passam por treinamentos diários e obtêm dietas balanceadas para atuar nas abordagens policiais. A matilha da PMBA é composta por animais das raças labrador, rotweiller, golden retriever, pastor alemão e pastor-belga-malinois. Em média, os animais atuam no Batalhão de Choque por cerca de oito anos e, após esse período, são aposentados e colocados para adoção.

Editado pelo Tribuna do Recôncavo | Texto de Elisabeth Guerra, sob supervisão do repórter Raul Rodrigues