Antes de tudo, peço licença às mulheres para falar sobre esta tématica a qual somente a elas cabem o lugar de fala.

Dizem que mulher é sexo frágil, pra começo de conversa, no momento da corrida para fecundar o ovulo tem muito espermatozóide fêmea deixando no chinelo espermatozóide macho (rsrs), inclusive no Brasil mulheres são maioria da população, então não me venha com essa de sexo frágil!

Quem já mensurou a dor do parto? Deixemos de romantizar a maternidade! Imagine colocar pra fora um bebê cujo tamanho é 10, 15, 20 vezes maior do que o canal de passagem, isso quando não é por meio de um corte que rasga ao meio o abdome da mãe para fazer vir ao mundo um ser humaninho. E o pai cadê? Ta lá na sala de espera confortavelmente ou então desmaiado dando trabalho a equipe de enfermagem.

“Quem casa quer casa” já dizia o ditado provavelmente criado por um macho escroto do tipo que acha que mulher tem que ser “bela, recatada e do lar”. Pois bem – recado ao vampiro e seu bando –, querer casa no sentido de moradia é uma coisa, mas querer casa no sentido de domesticação da mulher é outra bem diferente! O modelo de família que temos, logicamente patriarcal, é o cenário perfeito para o ego machista: uma mulher bela para satisfazer seus desejos sexuais; recatada que tenha “postura de mulher” e o obedeça; do lar para procriar, alimentá-lo, e fazer os cuidados da casa em geral enquanto ele assiste ao futebol.

Há quem seja esta mulher descrita anteriormente sem ver nisso problema algum, e isso não é culpa sua, pois a construção social lhe determinou isso – vivemos sobre moldes heteronormativos né cara-pálida! –, de modo que mesmo quando a mulher escolhe e tem a oportunidade de não ser “do lar” ela acaba sendo de lá, e isso outra vez nos vem como um ato de resistência nada frágil. A mulher trabalhadora tem rotina dupla e muitas vezes tripla: “ela acorda cedo; prepara a primeira refeição do dia para a família; organiza a ida dos filhos pra escola; se arruma para o trabalho; dá um expediente de oito horas seguidas – mal para para almoçar – corre para a faculdade; mais três ou quatro horas de obrigações; volta pra casa; arruma a bagunça do dia e vai dormir só depois de preparar o próximo dia”, diz um artigo que li a alguns dias atrás.

Não obstante, toda essa rotina ainda é deslegitimada por parte da sociedade – em sua maioria homens é claro! – e caso a mulher não se enquadre no estereótipo de sexo frágil, bela, recatada, do lar ou não se sujeitar a objetificação patrimonialista ainda é uma afronta muito grande para ideologia fálica, diariamente ainda que subnoticiado e subnotificado é assustador os dados do genocídio misógino a nível de Brasil e mundo. Pra se ter uma idéia foi preciso a legislação brasileira instituir um regra especifica sobre homicídio contra mulheres, é a Lei nº 13.104/2015 conhecida como Lei do Feminicídio, que é o ato de crime de morte cometido contra uma mulher em virtude de sua condição de sexo feminino, isto é, quando o crime envolve: violência doméstica e familiar e/ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Tal norma jurídica assim como a Lei Maria da Penha e outras são de fundamental importância no enfrentamento deste problema social, entretanto é sabido que há um contexto histórico de reprodução machista a ser quebrado, desconstruir a cultura do patriarcado quanto sistema social é urgente, mas só será possível por meio de ações pontuais e continuadas. Empoderamento feminino, políticas publicas voltadas para as mulheres, igualdade de gênero e desconstrução da visão heteronormativa são algumas das bandeiras a serem hasteadas diariamente.

Mulher, sinônimo de resistência!

Sobre o autor: Natural da cidade de Mutuípe e residente em Elísio Medrado (BA) desde 1992, Odemar Lúcio é Graduando em Serviço Social pela Facemp (Faculdade de Ciências e Empreendedorismo), profissional de saúde, poeta, escritor e colunista do Tribuna do Recôncavo.