O diretor e roteirista Geraldo Sarno será homenageado no 18º Panorama Internacional Coisa de Cinema, que este ano retoma seu formato totalmente presencial.  A mostra reúne quatro filmes do cineasta baiano nascido em Poções, que faleceu no início deste ano. As produções serão exibidas no Cine Metha – Glauber Rocha, entre 3 e 9 de novembro, em dias e horários ainda não definidos.

Um dos destaques da homenagem é “Sertânia”, último trabalho do diretor, lançado em 2020. O longa-metragem acompanha o fim de vida de Antão, um jagunço que foi ferido pelo seu próprio bando. Através de projeções da mente do personagem, a narrativa rememora acontecimentos, medos e fracassos. Contemplado nas categorias filme, direção, cinematografia e som do Prêmio Guarani de Cinema Brasileiro, também foi eleito como o melhor filme nacional de 2020 pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

Considerado um clássico, o curta-metragem “Viramundo”, primeiro trabalho de Geraldo, apresenta a realidade de um sertanejo que vai para o sudeste em busca de trabalho. Com músicas de Caetano Veloso e interpretação de Gilberto Gil, o filme evidencia como São Paulo, para grande parte desses imigrantes, é um local de passagem, provisório e áspero. A mostra exibirá ainda os longas “Iaô: A iniciação num Terreiro Gege Nagô” e “Coronel Delmiro Gouveia”, lançados na década de 1970.

Uma realização da produtora Coisa de Cinema, o XVIII Panorama acontece em Salvador e em Cachoeira (Cine Theatro Cachoeirano). O festival conta com o patrocínio do Instituto Flávia Abubakir e tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Fundação Cultural do Estado da Bahia, Secretaria de Cultura e Secretaria da Fazenda.

Jane Fernandes