O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a atacar nesta quarta-feira (10) os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), dizendo que não irá perder as eleições deste ano para “narrativas” — palavra que usa como sinônimo de mentiras. “Sou o chefe da nação e não vou chegar a 2023 ou 2024 e dizer o que eu não fiz lá atrás para o Brasil chegar nesta situação. Que isso custe a minha vida. Nós somos a maioria, somos pessoas de bem”, afirmou Bolsonaro, deixando no ar as ameaças golpistas.

O presidente também ironizou o manifesto pró-democracia, previsto para esta quinta-feira (11) com a leitura da Carta pela Democracia — iniciativa da Faculdade de Direito de USP. “Vimos agora há pouco uma cartinha em defesa da democracia. Olha quem assinou a carta. O último que assinou é um cara que vive de amores e beijos —ou vivia, porque alguns já morreram—, como Fidel Castro, Chaves, Evo Morales, Lugo  entre outros”, disse, se referindo ao ex-presidente Lula (PT).

Bolsonaro também criticou o TSE por não ter acatado todas as recomendações feitas pelas Forças Armadas sobre as urnas.

Metro1