Dara dos Santos Cavalcante, 23 anos, cujo corpo foi encontrado nas dunas da Avenida Dorival Caymmi, em Itapuã, Salvador, no dia 31 de dezembro, pode ter sido enterrada viva pelo vizinho. Um homem de prenome Fernando, 25 anos, se entregou à polícia e assumiu a autoria do crime, acompanhado de um advogado, na quinta-feira (3). Em depoimento à polícia, ele disse que achou que a jovem tinha morrido estrangulada quando ele lhe deu uma gravata.

Fernando teve a prisão temporária decretada pela Justiça após ter sido identificado por policiais da 1ª Delegacia de Homicídios. “Ele contou que a viu caminhando sozinha, a abraçou e puxou para um beco que dá acesso às dunas. Disse que Dara o agrediu, ele deu uma ‘gravata’ e ela desmaiou. Então, acreditando que ela estava morta, ele foi às dunas, cavou um buraco com a própria mão e a enterrou”, informou a delegada Marta Carine.

A polícia Civil afirmou ainda que no dia seguinte ao crime, o acusado retornou às dunas e usou uma pá para encobrir ainda mais o corpo. No entanto, a delegada informou que somente o laudo do Departamento de Polícia Técnica (DPT) poderá identificar a causa da morte. O laudo também apontará se Dara sofreu alguma violência sexual.

Editado por Tribuna do Recôncavo | Fonte: Correio | Redação: Bahia Noticias