Dirigido pelo cineasta baiano Tau Tourinho, o filme “Yku Balé” revela aspectos da diáspora africana no que se refere aos negros da Nação Jeje Mahi, que vieram para o Recôncavo baiano no período da colonização brasileira, onde puderam resistir, praticar e transmitir sua cultura e sua religiosidade, as quais se mantém vivas até os dias atuais. No candomblé Jeje, praticado na cidade de Cachoeira, a expressão “Yku Balé” significa “Saudação aos Ancestrais” e o Doté Marcelino é quem discorre sobre a realização desse ritual.

“O filme documentário “Yku Balé” é um curta-metragem que mostra uma história complexa, contada de forma curiosa e compacta, em um registro inédito que nos informa sobre uma parte da ritualística religiosa afro-brasileira”, destaca Tau Tourinho.

Desde que foi para Cachoeira, em 2011, se graduar no Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Tourinho vem mantendo um banco de dados com imagens animadas e estáticas, de onde colhe matéria prima para produzir seus filmes de temática variada e os disponibiliza gratuitamente na internet para que sirvam de entretenimento e recurso didático em instituições de ensino, bem como participem de mostras, encontros e festivais.

A estreia de “Yku Balé” aconteceu neste último sábado, 31 de julho, no canal Tau Tourinho (YouTube), com a participação do cineasta interagindo no chat do canal.

Confira o filme no play abaixo:

Texto: Tau Tourinho