A Bahia elegeu no último domingo, dia 2, a sua maior bancada feminina desde as eleições gerais de 1986. Em 2023, das 39 vagas destinadas para o estado na Câmara dos Deputados, cinco serão ocupadas por mulheres. As estreantes Roberta Roma (PL), Rogéria Andrade e Ivoneide Caetano (PT) se juntam as veteranas Alice Portugal (PCdoB) e Lídice da Mata (PSB). O número representa um aumento de 66% em relação às eleições de 2018, quando foram eleitas três mulheres. Alice e Lídice foram reeleitas no pleito deste ano, enquanto Dayane Pimentel (União) não conseguiu se reeleger.

O histórico mostra que o número de mulheres escolhidas para representar o eleitorado baiano em Brasília têm passado por constantes oscilações. Em 1986, a Bahia elegeu Abigail Fonseca (PMDB) e Lídice da Mata, na época no PCdoB. Na eleição seguinte, em 1990, nenhuma mulher foi eleita. Já em 1994, apenas Simara Ellery (PMDB) passou no teste das urnas. Em 1998 houve um retrocesso, quando o resultado foi o mesmo do início da década, com nenhuma mulher eleita. Já o ano de 2002 marcou a primeira vitória de Alice Portugal nas urnas e junto com ela também se elegeu Zelinda Novaes (PFL).

O recorde anterior de mulheres eleitas pela Bahia para a Câmara Federal aconteceu em 2006. Naquele ano, a bancada feminina no estado foi composta por quatro representantes: Alice Portugal, Lídice da Mata, Jusmari (PR) e Tonha Magalhães (PR). Em 2010, a quantidade caiu drasticamente, com apenas uma eleita, que foi novamente a comunista. Em 2014, Alice e Moema Gramacho (PT) se elegeram.

BRASIL

A bancada feminina na Câmara dos Deputados cresceu e será composta por 91 mulheres em 2023. O número corresponde a um aumento de 18% das vagas, já que em 2018 foram eleitas 77. As mulheres vão representar 17,7% das cadeiras da Câmara dos Deputados. Hoje a representação é de 15%. A bancada feminina terá, pela primeira vez na história da Casa, duas deputadas trans: Erika Hilton (PSOL-SP) e Duda Salabert (PDT-MG). As duas já passaram por cargos dos legislativos locais antes de chegar à Câmara dos Deputados, com votações recorde em seus estados.

Apesar de ser a maior parte do eleitorado brasileiro, com 52,65%, as mulheres ainda estão longe de ser maioria nas casas legislativas. Segundo a União Interparlamentar (UIP), o Brasil ocupa a 146º posição na participação de mulheres nos parlamentos entre 193 países analisados. A América Latina, Cuba e México tem melhores desempenhos, com 53,4% e 50% dos assentos parlamentares ocupados por mulheres. Os dados são de agosto de 2022.

Editado pelo Tribuna do Recôncavo | Fonte: Bahia Noticias