web analytics

Denatran suspende regulamentação de parcelamento de multas com cartão de crédito

Foto: Pixabay

Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) suspendeu a portaria que regulamentava o pagamento de multas de trânsito com cartões de débito e crédito. A decisão foi publicada no “Diário Oficial da União” desta segunda-feira (21).

Os procedimentos para a implementação do sistema foram divulgados no fim de março, pelo próprio Denatran. O serviço, no entanto, não era obrigatório e cada órgão de trânsito precisava habilitar as operadoras de cartão de crédito para oferecer o serviço.

À época, o Denatran informou que o parcelamento envolveria apenas a operadora do cartão e o proprietário. Os órgãos de trânsito continuariam recebendo o valor à vista e a regularização do veículo seria imediata. A cobrança de juros seria definida pela entidade financeira do cartão. (G1)

Governadores do Nordeste criticam projeto de privatização da Eletrobras

Foto: Alberto Coutinho/ GOV-BA

Em carta aberta, seis governadores da Região Nordeste – entre eles o chefe do Executivo baiano, Rui Costa (PT) – e o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), criticaram o projeto de privatização da Eletrobras, cujo relator é o deputado federal José Carlos Aleluia (DEM). Os governadores pedem a exclusão da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) do grupo Eletrobras, “transformando-a numa empresa pública, vinculada ao Ministério da Integração Nacional”.

“Preocupa-nos, sobremodo, o Projeto de Privatização da Eletrobrás e, em particular, o da Companhia Hidroelétrica do São Francisco/Chesf que, em se concretizando, viria a submeter um ativo do povo da região aos interesses dos investidores, condicionando – por décadas – qualquer projeto ou ação que viesse a demandar água do Rio São Francisco, tanto para o abastecimento humano quanto para a agricultura irrigável”, diz trecho do texto. Para os signatários da carta, “fica clara a priorização do interesse empresarial sobre o social”. O grupo ainda acusa a existência de manobras regimentais para “encurtar” o debate sobre o assunto.

Os governadores ainda destacam que medidas adotadas pelo governo federal não foram suficientes para a retomada da atividade econômica. Há ainda críticas a ações da União, como os cortes propostos no Programa de Aquisição de Alimentos e o “desmonte” do Sistema Único de Assistência Social. “Não podemos aceitar que a insensibilidade social leve a grande parcela dos mais pobres a pagar a conta do necessário ajuste das contas públicas”, afirma o texto, divulgado após encontro dos gestores nesta sexta-feira (18), em Recife. Também assinam a carta os governadores do Ceará, Camilo Santana (PT); Piauí, Wellington Dias (PT); Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB); Pernambuco, Paulo Câmara (PSB); e Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD). (Bahia.Ba)

Alta do dólar não preocupa, diz secretário do Tesouro

Foto: Pixabay

A alta do dólar, por enquanto, não preocupa por ser um movimento de curto prazo, avaliou o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Facundo de Almeida Junior, hoje (16), após participar de reunião da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados. “O Banco Central tem instrumentos para lidar com isso. Por enquanto, não preocupa. É bem diferente de 2002 e de outros anos. Naquela época, tinha o problema da dívida pública. Não é caso agora”, disse. Mansueto de Almeida lembrou que, em 2002, com a alta dólar, a dívida líquida do setor público disparou porque o país tinha nível baixo de reservas.

Agora, argumentou, o país é credor líquido em moeda estrangeira, ou seja, tem mais ativos do que dívidas no exterior. A dívida pública cai quando há alta do dólar, porque as reservas internacionais, o principal ativo do país, são feitas de moeda estrangeira. “Quando o dólar sobe, a dívida líquida cai, porque o Brasil hoje é credor líquido em dólar. É bem diferente de 2002, quando disparou o dólar. A divida líquida disparou porque Brasil era devedor líquido em dólar e tinha um nível de reserva baixo”, afirmou.

Segundo Mansueto, o dólar está se valorizando em relação a várias moedas de países emergentes e ao euro. “Essa coisa de volatilidade é muito de curto prazo, muito de atuação de mercado”, disse. Um fato adicional, acrescentou o secretário, é que o déficit em conta-corrente é “muito pequeno”, abaixo de 1% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. “É um resultado muito menor do que entra de dinheiro como investimento externo”, destacou.

Reportagem: Kelly Oliveira | Fonte: Agência Brasil

IGP-10 registra inflação de 1,11% em maio

Foto: Marcos Santos/ USP Imagens

O Índice Geral de Preços–10 (IGP-10) registrou inflação de 1,11% em maio, taxa superior ao 0,56% de abril. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o indicador acumula taxas de inflação de 3,18% no ano e de 3,58% em 12 meses.

A taxa foi puxada pelos preços no atacado. O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede esse segmento, subiu de 0,70% em abril para 1,55% em maio.

Outro subíndice que teve alta na taxa de inflação foi o Índice Nacional de Custo da Construção, que passou de 0,30% para 0,34%. O Índice de Preços ao Consumidor, que acompanha a variação do varejo, caiu de 0,28% em abril para 0,26% em maio. (Agencia Brasil)

Dinheiro ‘some’ de algumas contas de Banco de Brasília

Foto: Reprodução/ Arquivo Pessoal

Uma parte dos clientes do Banco de Brasília (BRB) levou um susto nesta terça-feira (15), ao verificar que o dinheiro em conta corrente havia “desaparecido”. O valor que aparecia na tela do celular ao abrir o aplicativo da instituição financeira era de R$ 0,00. Pelo menos 15 correntistas constataram a falha no sistema.

Quem precisava realizar saques, pagamentos e transferências, não pôde fazer nenhuma dessas transações até as 17h de hoje. Procurada pelo G1, a direção do BRB, por meio de nota, reconheceu os transtornos causados, e disse que os saldos zerados restringem-se a clientes que não usam o “cheque especial”, tipo de crédito oferecido pela agência.

“Não é algo generalizado, afeta um grupo pequeno de clientes”, afirmou o banco. Ainda segundo o comunicado, equipes de tecnologia estão trabalhando para resolver as falhas. O BRB, no entanto, não deu prazo para o restabelecimento do sistema. (Noticias ao Minuto)

Dólar continua em alta e chega a R$ 3,66

Foto: Pixabay

Após chegar à maior cotação em mais de 2 anos, fechando em R$ 3,6275 na última segunda-feira (14), o dólar continua a subir nesta terça-feira (15). Apesar da intervenção reforçada do Banco Central, a moeda dos Estados Unidos chegou a R$ 3,668 na venda por volta das 9h (horário de Brasília).

Quem quiser comprar a moeda nas casas de câmbio já deve desembolsar o equivalente a R$4,00 por dólar no cartão pré-pago, cuja previsão leva em conta o Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) de 6,38%. A cotação em espécie varia entre R$ 3,80 e R$3,90, incluindo o imposto de 1,1%. No exterior, o avanço do rendimento dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, os Treasuries, supera os 3%.

Redação: Noticias ao Minuto | Fonte: G1/ Reuters

Planalto pode gastar R$ 2,3 milhões com satélite para presidente falar no celular durante voos

Foto: Pixabay

O Palácio do Planalto abriu uma licitação para contratar serviços de comunicação por satélite para dois aviões presidenciais. Com previsão de gastos de R$ 2,3 milhões, o objetivo da licitação é permitir que o presidente e assessores consigam se comunicar a qualquer tempo a bordo das aeronaves. De acordo com a coluna Expresso, um das exigências da licitação é que a empresa escolhida guarde sigilo sobre todas as informações obtidas em decorrência do serviço. (Bahia Noticias)

Acidentes no trânsito têm impacto de R$ 199 bilhões na economia

Foto: Dênio Simões/ Agência Brasília

Um estudo com base nos indicadores do seguro obrigatório de automóveis DPVAT, divulgado hoje (14) pela Escola Nacional de Seguros, revela que os acidentes graves ocorridos no trânsito brasileiro em 2017 provocaram impacto econômico de R$ 199 bilhões, ou o correspondente a 3,04% do Produto Interno Bruto (PIB, a soma dos bens e serviços produzidos no país).

O valor equivale ao que seria gerado pelo trabalho das vítimas, caso os acidentes não tivessem ocorrido. De acordo com o estudo, os acidentes no trânsito mataram 41,1 mil pessoas no ano passado em todo o país e deixaram com invalidez permanente, que as afasta da atividade econômica que exerciam, outras 42,3 mil.

O número de pessoas mortas ou com alguma sequela permanente subiu 35,5% de 2016 (61,6 mil vítimas) para 2017 (83,5 mil), o que significa que a perda produtiva subiu nesse percentual de um ano para outro. O resultado se aproxima do total de vítimas fatais e pessoas com sequelas registrados em 2015 (100,4 mil).

Redação: Alana Gandra | Fonte: Agência Brasil

Banco Central deve reduzir juros de novo esta semana

Foto: Marcos Santos/ USP Imagens/ Fotos Públicas

O Banco Central (BC) deve cortar novamente os juros esta semana, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que começa nesta terça-feira, 15, e termina na quarta-feira, 16, levando a taxa básica (Selic) para 6,25%, recorde histórico de baixa, prevê o banco de investimento Brown Brothers Harriman (BBH), com sede em Nova York.

A instituição avalia, porém, que o BC já cortou os juros demais no Brasil, sobretudo quando se leva em conta os crescentes riscos políticos por conta das eleições indefinidas, avalia relatório publicado neste domingo, 13. O BBH destaca que o BC sinalizou que este deve ser o último corte na Selic, mas “muitos (incluindo a gente) acreditam que o BC já cortou demais os juros”. O relatório ressalta ainda que o IPCA de abril, divulgado na semana passada, foi mais um indício de que a inflação no Brasil está controlada e abaixo da meta do BC. Ao mesmo tempo, as incertezas eleitorais são crescentes, destaca o BBH.

Na corrida presidencial, o BBH avalia em outro relatório sobre o Brasil que, mesmo preso, persistem dúvidas sobre a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, e ainda falta um nome forte com perfil mais de centro. Sobre a candidatura do deputado Jair Bolsonaro, o banco destaca que ele tem perfil “populista” e tudo vai depender da escolha de sua equipe econômica, caso vença. Para o BBH, o mercado está subestimando os riscos políticos no Brasil. (Varela Noticias)

Petrobras volta a ser a empresa mais valiosa da América Latina

Foto: Divulgação/ Agência Petrobras

Os quatro dias de forte valorização das ações da Petrobras fizeram a petrolífera retomar o posto de mais valiosa da América Latina, desbancando a Ambev, que ocupava a posição desde outubro de 2014. Impulsionada pela valorização do petróleo nos últimos dias, a petrolífera atingiu R$ 358,9 bilhões em valor de mercado, enquanto a gigante de bebidas fechou o dia com R$ 342,6 bilhões. Somente nas últimas quatro sessões, a estatal ganhou R$ 56,3 bilhões em valor de mercado. Um dos fatores que explicam a alta é o aumento da cotação do petróleo no exterior, em especial após o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciar a saída do acordo nuclear com o Irã.

O anúncio fez o barril do Brent, negociado em Londres e referência internacional, atingir US$ 77. Mas o resultado da estatal no primeiro trimestre também agradou aos investidores. A Petrobras teve alta de 56,4% no lucro no período, para R$ 6,96 bilhões, e voltou a distribuir juros sobre capital próprio aos acionistas, o que não ocorria desde abril de 2014. Por outro lado, a Ambev fechou em baixa pelo segundo dia nesta sessão. A gigante de bebidas viu seu lucro subir 13,4% no primeiro trimestre, para R$ 2,598 bilhões, mas os resultados no Brasil foram considerados fracos.

“Tem essa explosão do petróleo, então as ações sobem por reflexo do petróleo e do balanço. A venda de ativos da empresa segue em curso, é um cenário favorável”, diz Rafael Passos, analista da Guide Investimentos. Em relatório, o banco UBS disse que a Petrobras está sendo negociada com um “desconto significativo” em comparação com seus principais concorrentes. Segundo o banco, considerando a relação valor de mercado sobre o ebitda [capacidade de geração de caixa da companhia], o desconto estaria entre 25% e 45%, o que o UBS considera muito elevado. (mais…)

Dólar sobe e atinge R$ 3,60 pela primeira vez em quase 2 anos

Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Um dia depois de os Estados Unidos anunciarem a retirada do acordo nuclear do Irã, bem com sanções contra o país, o dólar atingiu R$ 3,60 na manhã desta quarta-feira (09), maior índice desde junho de 2016.

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, enfatizou à Globonews que a alta não ocorre apenas no Brasil, mas em todos os mercados internacionais, e que o órgão está atento à escalada da moeda norte-americana para agir se necessário. Em 31 de maio de 2016, o dólar fechou o dia cotado em R$ 3,6142, a maior cotação desde então. (Noticias ao Minuto)

Oeste baiano tem recorde na produção de soja com 6 milhões de toneladas

Foto: Jonas Oliveira/ ANPr/ Fotos Públicas

Os municípios produtores de soja da região oeste da Bahia estão comemorando um recorde na safra deste ano. A colheita feita entre os meses de março e abril garantiram uma média de 62 sacas por hectare, quantidade que representa cerca de 6 milhões de toneladas de grãos. De acordo com o engenheiro agrônomo e assessor de agronegócio da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Luiz Stahlke, o montante se trata de um recorde de produtividade do ponto de vista nacional. Ainda segundo ele, a produção pode ficar entre as maiores do mundo, no entanto, não há dados oficiais que comprovem essa informação.

Stahlke conta que a maior safra da região havia sido entre os anos de 2010 e 2011. Nessa época, foram colhidas 56 sacas por hectare. Em 2017, os produtores conquistaram 54 sacas. Entre os municípios do oeste baiano que se destacam na produção e colheita de soja estão Barreiras, Luís Eduardo Magalhães, São Desidério, Formosa do Rio Preto, Riachão das Neves, Correntina, Jaborandi, Cocos e Bainópolis. De acordo com dados da Aiba, 60% da produção dessas cidades é destinada para países asiáticos, enquanto 40% serve para abastecer o mercado do norte e nordeste. O engenheiro agrícola afirma que os resultados positivos da colheita têm a ver com a distribuição das chuvas na região durante os períodos de plantio e colheita, que vai de outubro a abril.

Diferente dos últimos quatro anos, não houve em 2018 um prolongamento de dias de sol no período chuvoso. “Por anos [no período chuvoso], chegamos a ficar de 30 a 40 dias sem chuva. Esse ano, a gente não teve esse problema”, conta. Além das questões meteorológicas, Stahlke explica que os investimentos dos produtores foram da fertilidade do solo foram cruciais para os bons resultados. Entre 2017 e 2018, a área de plantação chegou a 1,6 milhão de hectare. “Para nós, é a maior plantada da história”, diz o engenheiro agrônomo. (G1-Bahia/ Bahia Noticias)

Banco Mundial aponta que maior eficiência pode gerar economia de R$ 115 bilhões ao SUS

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Análise do Banco Mundial apontou que a melhoria da eficiência do Sistema Único de Saúde (SUS) poderia resultar em uma economia de 16,5% nos gastos de saúde nos próximos 12 anos. Esse montante seria fundamental, de acordo com a instituição, para garantia da sustentabilidade do SUS em um cenário de subfinanciamento e envelhecimento populacional.

O Banco Mundial concluiu ainda, segundo a Folha de S. Paulo, que o Brasil atingirá R$ 701 bilhões com gastos de saúde em 2030, se mantiver o cenário atual. Com uma maior eficiência, as despesas reduziriam R$ 115,6 bilhões, com total de R$ 585,4 bilhões. A análise foi apresentada em evento do Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass), em Brasília, com a presença de gestores e pesquisadores do Brasil, Reino Unidos, Canadá, Portugal e Costa Rica.

Todos esses países defendem a garantia da saúde como direito universal. No entanto, as outras nações possuem definições do que será oferecido pelo setor público. Entre as experiências positivas citadas durante o evento, esteve a criação de consórcios na Bahia para construção de hospitais regionais e policlínicas. (Bahia Noticias)

Número de famílias endividadas em abril é o menor em cinco anos

Foto: Pixabay

O percentual de famílias endividadas na Bahia atingiu a menor porcentagem em 5 anos, é o que diz a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), feita pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e Fecomércio-BA. Fechando com 47,3% em abril, a média do estado é menor que a nacional onde se obteve 60,2% de famílias endividadas.

Ainda segundo o estudo, a proporção das famílias com dívidas ou contas em atraso diminuiu este mês, atingindo 18,7% das famílias e na comparação com abril de 2017, houve uma queda de 9,3 pontos percentuais. A proporção de famílias que disseram não ter dívidas obteve nesse mês 52,6%, já de contas em atraso 60,4% e com condições de pagar em parte as dívidas 53,7%. O levantamento aponta que o cartão de crédito ainda se mantém na liderança como tipo de dívida mais recorrente entre os baianos atingindo 86% das dívidas no Estado.

Na comparação com o início do ano, houve um crescimento de 5% no total. 53,9% das famílias que possuem dívida informam que têm entre 11% e 50% da renda comprometida com débitos, enquanto que 30,5% dizem que demoram de 3 a 6 meses para quitar esse valor. (Bahia.Ba)

Banco Central nega que cédulas carimbadas com rosto de Lula percam valor

Foto: Reprodução/ Facebook

O Banco Central esclareceu que as cédulas carimbadas com a imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os dizeres “Lula livre” não perdem o valor, mas alertou que deverão ser repostas, o que implicará custo para o país. Um vídeo circulou pelas redes sociais mostrando um homem carimbando cédulas de dinheiro com o rosto de Lula. Nas redes sociais e pelo WhatsApp, circularam diversas imagens de cédulas sendo carimbadas com a mensagem de apoio ao ex-presidente.

Alguns vídeos mostram cédulas com mensagens escritas a mão. Houve comerciantes que se recusaram a receber as notas carimbadas e fixaram avisos perto do caixa. Mensagens com conteúdo falso foram amplamente divulgadas nas redes sociais. “Banco Central acaba de divulgar que a rede bancária está proibida de receber notas com carimbo ‘Lula Livre’. Se receberem tais notas, os bancos deverão chamar a polícia. O portador estará sujeito ao Artigo 163 do CP [Código Penal]”, dizia uma dessas mensagens, desmentidas pela instituição. Em nota, o Banco Central (BC) esclareceu que, ao contrário do que foi divulgado, as notas não perdem o valor.

“Cédulas com rabiscos, símbolos ou quaisquer marcas estranhas continuam com valor e podem ser trocadas ou depositadas na rede bancária. As notas descaracterizadas apresentadas na rede bancária serão recolhidas ao Banco Central para destruição”, diz o texto. A nota do BC informa ainda que o comércio não é obrigado a aceitar as notas, mas os bancos são. O BC informa que as notas danificadas podem continuar circulando, porém lembra que a fabricação de novas cédulas e moedas gera custos para o país e que “sua reposição elevará ainda mais esse custo”. (Agência Brasil)

Entrada de dólares supera saída em US$ 13,075 bilhões

Foto: Pixabay

A despeito das cotações do dólar acima de R$ 3,50 nos últimos dias, o Brasil continuou recebendo forte volume de capital estrangeiro nos últimos dias. Dados apresentados pelo Banco Central mostram que o País acumula ingresso de US$ 13,075 bilhões nas quatro primeiras semanas de abril, até o dia 27. No mês, há equilíbrio entre a entrada de dólares em operações financeiras e no comércio exterior.

No segmento financeiro – onde estão os investimentos estrangeiros diretos e em carteira, remessas de lucro e pagamento de juros, entre outras operações – houve entrada de US$ 6,372 bilhões nos 27 primeiros dias de abril. O valor é resultado de ingressos totais no valor de US$ 43,653 bilhões, valor superior às retiradas de US$ 37,281 bilhões. No comércio exterior, o saldo de abril segue no azul com US$ 6,703 bilhões, saldo das exportações que alcançaram US$ 20,367 bilhões e importações de US$ 13,664 bilhões.

Nas exportações, estão incluídos US$3,783 bilhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), US$ 3,787 bilhões em Pagamento Antecipado (PA) e US$ 12,797 bilhões em outras entradas. (Noticias ao Minuto)

Voltar à página inicial