Na tarde de quarta-feira, dia 18, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Carlos Fávaro, destacou que o Brasil, com o retorno do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao comando do país, reconquistou credibilidade no mercado internacional do agronegócio. A declaração ocorreu após reunião com o presidente Lula no Palácio do Planalto, ocasião na qual informou a retomada da exportação de produtos para alguns países.

De acordo com Fávaro, a Indonésia habilitou onze unidades frigoríficas do Brasil para exportação. O ministro também informou que, desde 2019, o Brasil não tinha habilitação para exportar carne à China e que, somente neste ano, os chineses já reabilitaram três frigoríficos.

“O mundo voltou a acreditar no Brasil. As oportunidades de emprego vão acontecer aqui. O Brasil volta a ter credibilidade. Isso é fruto do novo governo liderado pelo presidente Lula e o trabalho desempenhado, em todos esses anos, pelos técnicos do Ministério da Agricultura”, acrescentou Fávaro.

O objetivo, segundo o ministro, é habilitar cada vez mais mercados exigentes e que pagam melhor, para gerar mais renda e empregos. Com isso, ressaltou que, em 2023, após 16 anos, o Brasil finalmente conseguiu a habilitação para exportar algodão para o Egito, um dos mercados mais renomados. “É um nicho de qualidade. Ao receber a habilitação para exportar para o Egito, recebemos a chancela da qualidade do algodão brasileiro para o mundo todo”, acrescentou.

Por fim, o ministro comunicou que nesta semana irá participar, conforme solicitação do presidente Lula, de evento sobre agricultura sustentável, em Berlim (Alemanha). O encontro deve reunir 70 ministros da Agricultura de diversos países. O propósito é levar a mensagem de que o Brasil vai continuar a ser um grande produtor de alimentos do mundo e com produção sustentável.

“Essa produção será sustentável. Nós iremos respeitar o meio ambiente. Nós vamos respeitar o Código Florestal. O mundo inteiro pode ter certeza que comprar produto do Brasil será comprar produto que respeita o meio ambiente, que respeita o social, de acordo com a lei”, finalizou Fávaro.

EBC