Com a proximidade do período de chuvas, o Brasil está em estado de alerta para evitar um novo aumento nos casos de dengue e outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Entre janeiro e outubro desde ano, de acordo com levantamento divulgado pelo Ministério da Saúde, o número de casos da doença no Brasil subiu quase 185% na comparação com o mesmo intervalo de tempo do ano passado, alcançando a marca de 1,3 milhão de notificações. Neste período, foram registradas 909 mortes.

Segundo Natalia Verza Ferreira, cientista, doutora em Genética e Biologia Molecular e diretora da Oxitec do Brasil, esse cenário decorre do fato de que o Aedes aegypti tem se adaptado e descoberto novas formas de se reproduzir, inclusive em água suja, o que não ocorria há alguns anos. A especialista elenca alguns mitos e verdades sobre o mosquito:

MITO

O mosquito não circula no inverno: as baixas temperaturas não impedem o nascimento e circulação do Aedes aegypti no meio ambiente. Os ovos podem, inclusive, resistir por cerca de um ano até eclodirem.

VERDADE

Somente as fêmeas do Aedes aegypti picam o ser humano: os machos não se alimentam de sangue, somente as fêmeas, que sugam o sangue para produzir e botar ovos.

MITO

Uso de inseticidas é suficiente para evitar a circulação do mosquito: além dos inseticidas, é necessário evitar água parada em depósitos que podem se tornar criadouros. Além disso, existem soluções como o Aedes do Bem, que promovem controle da população de mosquitos no meio ambiente por meio de mosquitos machos geneticamente modificados (com característica autolimitante), que cruzam com as fêmeas e, da prole, só sobrevivem machos.

VERDADE

O combate ao mosquito Aedes aegypti é a melhor forma de prevenção da dengue: embora já exista uma vacina contra a doença, a melhor forma de prevenção é a eliminação dos criadouros, controle ambiental da população de mosquitos, uso de repelentes e telas em caixas d’água e janelas.

Sugestão de fonte:

Natalia Verza Ferreira, cientista, doutora em Genética e Biologia Molecular e diretora da Oxitec do Brasil

CDI Comunicação