Professora que sofreu racismo na UFRB diz que aluno já chamou negros de preguiçosos

Professora que sofreu racismo na UFRB diz que aluno já chamou negros de preguiçosos - cachoeiraFoto: Reprodução/ TV Bahia

Professora de História do Brasil na UFRB, Isabel Reis revelou que não foi a primeira vez que Danilo de Araújo Góis incorreu em racismo nas dependências da universidade. Segundo ela, em outra oportunidade, o aluno disse que negros eram preguiçosos e fediam.

“Durante uma das aulas, ele falou que negros não eram empreendedores, eram preguiçosos e que, por isso, foi necessário o uso da mão de obra imigrante. Como vou deixar um aluno sair da sala trazendo esse tipo de pensamento raso? Baseado em que ele está falando isso? Ele precisava ler, fazer uma reflexão do que falava. Então fizemos um trabalho, com os primeiros passos da república, com livro para leitura. Porque eu não sabia onde ele estava lendo as coisas que dizia. Após o trabalho, ele disse que o Rio de Janeiro fedia e que os negros fediam”, contou.

Isabel revelou ainda que os estudantes já haviam contado que Danilo se recusava a encostar em homossexuais ou pessoas negras, bem como pegar qualquer coisa na mão de pessoas negras, mas que isso nunca havia ocorrido com ela. (mais…)

UFRB diz que está ‘tomando medidas administrativas e jurídicas cabíveis’ a caso de racismo

UFRB diz que está 'tomando medidas administrativas e jurídicas cabíveis' a caso de racismo - cachoeiraFoto: Reprodução/ Redes Sociais

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) manifestou, em nota, veemente repúdio às atitudes ofensivas do estudante do curso de Ciências Sociais, Danilo Araújo de Góis, para com a professora Isabel Cristina Ferreira dos Reis e outros estudantes do Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL), em Cachoeira, no Recôncavo baiano.

A instituição criou uma comissão para apurar as denúncias encaminhadas por estudantes e professores do Centro, que informam ter presenciado reiteradas manifestações de preconceito racial, de gênero e de homofobia por parte do estudante. A UFRB informou que está tomando as medidas administrativas e jurídicas cabíveis ao caso, “de modo a contribuir com a apuração dos fatos ocorridos”. “Após se recusar a receber uma avaliação das mãos da professora, o estudante foi denunciado pelos presentes por ato de preconceito racial, conforme vídeo veiculado em redes sociais”, diz um trecho.

“A UFRB considera fundamental ao processo formativo na graduação e na pós-graduação o respeito às diferenças para constituir um ambiente de convívio saudável, sem discriminação. Ao mesmo tempo, a instituição manifesta solidariedade à professora e estudantes ofendidos no espaço da Universidade e reafirma seu compromisso em não deixar impunes atitudes desta natureza”, completa nota.

Metro1

Cachoeira: Vídeo mostra aluno se recusando a receber avaliação de professora negra

Cachoeira: Vídeo mostra aluno se recusando a receber avaliação de professora negra - destaque, cachoeiraFoto: Reprodução/ Redes Sociais

O campus da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) em Cachoeira vai abrir um processo administrativo para apurar um suposto crime de racismo cometido por um estudante do curso de história. Na noite desta segunda-feira, dia 09, um caso chamou à atenção da comunidade acadêmica.

O estudante do curso de história de prenome Danilo teria se recusado a receber uma folha de avaliação de uma professora. A situação foi registrada em vídeos. Procurado na manhã desta terça-feira, dia 10, o diretor do centro de artes, humanidades e letras, Jorge Cardoso, confirmou a veracidade do vídeo e disse só após o fim do processo, a instituição vai tomar as medidas cabíveis.

“Infelizmente esse vídeo é verídico. A gente teve acesso a ele pela primeira vez hoje pela manhã e a instituição vai se debruçar sobre o fato ocorrido para se couber alguma medida de punição punir o responsável”, disse.

O caso ocorreu durante a avaliação da professora Isabel Reis.

Bahia Noticias

Após sofrer um AVC, idosa de Cachoeira espera por vaga em hospital de Salvador

Após sofrer um AVC, idosa de Cachoeira espera por vaga em hospital de Salvador - cachoeiraFoto: Reprodução/ TV Bahia

Idosa de 83 anos natural de Cachoeira está internada há um mês em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no Jardim Santo Inácio, em Salvador depois de ser vítima de um AVC seguido de infarto.  De acordo com informações de familiares, a idosa precisa de um atendimento mais especifico sendo eles na área da cardiologia e de neurologia, além da necessidade da assistência de um hospital ainda na capital, o que segundo eles, não tem previsão para acontecer e a situação da idosa identificada como Maria Fausta só piora.

“Ela chegou aqui andando, depois de uma crise hipertensiva. Em seguida, ela teve um AVC, seguido de um infarto. De lá para cá, ela só tem piorado o quadro. Deixou de falar, não se alimenta só se alimenta agora através da sonda, e os filhos desesperados, pedindo socorro. A gente não sabe mais em qual porta bater. A UPA não tem estrutura para suportar esse tipo de paciente. Se não tem estrutura, então leva para unidade que possa socorrer. Ela está lutando pela vida. Uma senhora de 83 anos, lutando para viver, sem ajuda”, contou Alícia Fausto, filha da mulher.

Ainda de acordo com Alícia, recentemente, dona Maria Fausta, começou a apresentar sinais de paralisia pelo corpo. Ela alega que a idosa chegou ao local com todos os movimentos. “Ela está com um lado do corpo todo paralisado, mas ela entrou com os movimentos, falando. Porém hoje, ela não movimenta braço, perna. Não fala nada, nada”, disse. (mais…)

Após feminicídio em Cachoeira, ONU faz apelo pelo fim da violência contra a mulher

Após feminicídio em Cachoeira, ONU faz apelo pelo fim da violência contra a mulher - cachoeiraFoto: Arquivo Pessoal/ Reprodução/ Facebook

Duas entidades ligadas à Organização das Nações Unidas (ONU), a ONU Mulheres e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), emitiram uma nota se solidarizando com os amigos, amigas e familiares da estudante de Serviço Social da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Elitânia de Souza da Hora, assassinada na última quarta-feira, dia 27, em Cachoeira. Na nota, as entidades também se solidarizam “com todas as organizações, movimentos e pessoas que lutam pelo fim da violência contra as mulheres e em defesa dos direitos humanos” e fazem um apelo para que o caso seja apurado e solucionado.

A vítima era ativista dos direitos humanos e atuava enquanto liderança da Comunidade Quilombola do Tabuleiro da Vitória, no mesmo município em que estudava. De acordo com as entidades, “Elitânia foi violentamente assassinada a tiros, a despeito de uma medida protetiva, em um caso suspeito de feminicídio. Sua morte ocorreu apenas dois dias depois da abertura da mobilização anual dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres, organizada pelas Nações Unidas, parcerias governamentais e a sociedade civil”.

“Essa perda irreparável demonstra o quanto ainda falta a ser feito para garantir que o investimento feito em nossa juventude não seja perdido”, ressalta o texto, salientando também que recursos devem ser garantidos para a proteção social, prevenção, acolhimento, justiça, reparação e campanhas públicas, bem como o pleno funcionamento da rede especializada de enfrentamento à violência contra a mulher em todo o país. Vale ressaltar que os casos de violência contra mulher devem ser denunciados atravé do Disque 180.

Bahia Noticias

Acusado de matar estudante em Cachoeira se entrega à polícia

Acusado de matar estudante em Cachoeira se entrega à polícia - policia, destaque, cachoeiraFoto: Reprodução/ TV Bahia

Acusado de matar a tiros a estudante Elitânia de Souza Hora na última quinta-feira, dia 28, José Alexandre Passo Góis, 34, se apresentou nesta sexta-feira, dia 29, ao Conjunto Penal de Feira de Santana e foi encaminhado a um presídio cujo nome não foi divulgado para cumprir prisão preventiva pedida pela polícia e autorizada pela Justiça.

A informação foi confirmada pelo delegado João Matheus, titular da Delegacia Territorial (DT) de Cachoeira, responsável pela investigação do crime. “Ele se apresentou no complexo de Feira de Santana e já está sendo encaminhado para o presídio”, disse.

O acusado é ex-companheiro da vítima. Segundo relatos de pessoas próximas, ela havia prestado queixa contra ele por conta de ameaças. O fato ocorreu por volta das 22h, na Rua do Fogo, em Cachoeira. Em nota, a Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), onde ela estudava, declarou “profundo pesar” pelo fato e decretou luto de três dias.

Bahia Noticias

Cachoeira: Entidade quilombola afirma que universitária morta era liderança promissora

Cachoeira: Entidade quilombola afirma que universitária morta era liderança promissora - policia, cachoeiraFoto: Arquivo Pessoal/ Reprodução/ Facebook

A associação quilombola da qual fazia parte Elitânia de Souza Hora, morta na noite desta quarta-feira, dia 27, em Cachoeira, no Recôncavo baiano, afirmou que a jovem era uma das lideranças mais promissoras. A jovem foi morta a tiros quando tinha saído da Universidade Federal do Recôncavo (UFRB). O principal suspeito é um ex-namorado dela, identificado como Alexandre Passos Silva Góes. Na manhã desta quinta-feira, dia 28, estudantes e professores fizeram uma manifestação em repúdio ao crime.

Elitânia de Souza Horta cursava o 7° semestre do curso de Serviço Social da UFRB. Ela também era secretária da Associação de Mulheres do Quilombo do Tabuleiro da Vitória e Adjacências (AMQTVA). Para a presidente da AMQTVA, Maria de Totó, o feminicídio ocorrido reflete a onda de violência estimulada contra os quilombolas pelo governo federal e outros agentes de Estado.

“As lutas de Elitânia não foram em vão, nosso povo, unido, vai buscar justiça para ela e sua família, para que o caso não seja uma mera estatística”, disse Maria de Totó. Conforme Anhamona de Brito, advogada da AMQTVA e ativista de Direitos Humanos, a vítima tinha buscado o apoio das instituições de segurança pública e de justiça, que não conseguiram assegurar sua proteção após inúmeras denúncias. (mais…)

Universitária é assassinada em Cachoeira; namorado é suspeito

Universitária é assassinada em Cachoeira; namorado é suspeito - policia, destaque, cachoeiraFoto: Arquivo Pessoal/ Reprodução/ Facebook

Uma estudante da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi morta a tiros na noite desta quarta-feira, dia 27, em Cachoeira, no Recôncavo baiano. Segundo a Polícia Militar, Elitânia de Souza Hora, que cursava o 7° semestre do curso de Serviço Social, estava na companhia de uma colega quando um homem, ainda não identificado, se aproximou e atirou três vezes.

Um dos disparos atingiu a cabeça da jovem. Ela ainda foi socorrida para um hospital da cidade, mas não resistiu. Até a manhã desta quinta-feira, dia 28, o acusado não foi preso. Pessoas ligadas à vítima contam que ela tinha prestado queixa contra o namorado que a ameaçava.

O fato ocorreu por volta das 22h, na Rua do Fogo. Em nota, a UFRB declarou “profundo pesar” pelo fato e decretou luto de três dias. Nesta quinta, não haverá aula no Centro de Artes, Humanidades e Letras.

Bahia Noticias

Cachoeira receberá projeto de Educação em Direitos da DPU, dias 7 e 8

Cachoeira receberá projeto de Educação em Direitos da DPU, dias 7 e 8 - destaque, cachoeiraFoto: Alberto Coutinho/ GOV-BA

A cidade de Cachoeira, no Recôncavo baiano, sediará mais uma edição do projeto Educação em Direitos da Defensoria Pública da União (DPU. Nos dias 7 e 8 de novembro, estão previstas na cidade a realização de palestras para orientar os cidadãos acerca de seus direitos e informar sobre as atribuições da DPU, com ênfase nos direitos das comunidades tradicionais.

No primeiro dia, quinta-feira (7), às 9h, será realizada uma palestra no espaço Hanse Bahia (Rua Treze de Maio, 13, Cachoeira – BA). O evento tem como público-alvo líderes comunitários quilombolas, mas é aberto ao público em geral, estando sujeito apenas à lotação do espaço. À tarde, a partir das 14h, a equipe da DPU realizará palestra na Associação Cultural e Artística de Santiago do Iguape (Matriz, s/n, Zona Rural).

Na sexta-feira (8), a partir das 9h, as defensoras visitarão a Comunidade São Francisco do Paraguaçu (sede do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, Rua das Areias). A última palestra acontecerá às 14h no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Rua Augusto de Azevedo, s/n, Centro). Este último evento será voltado aos técnicos que atuam na área. (mais…)

Flica garante ocupação de 100% nos hotéis de Cachoeira

Flica garante ocupação de 100% nos hotéis de Cachoeira - cachoeiraFoto: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

Iniciada no dia 24 de outubro a 9ª edição da Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), reuniu cerca de 35 mil visitantes no Recôncavo baiano, segundo os organizadores. A grande movimentação de pessoas na cidade para participar do evento refletiu positivamente na taxa de ocupação hoteleira. Com patrocínio do Governo da Bahia, a Flica seguiu até o dia 27 de outubro, com acesso gratuito e recebeu grandes autores como Thalita Rebouças, Gláucia Lemos e o poeta Bráulio Bessa.

De acordo com o secretário municipal de Turismo de Cachoeira, Cleydson do Rosário, a taxa de ocupação hoteleira na cidade foi de 100%. Além de Cachoeira, os participantes da Flica também se hospedaram em Santo Antônio de Jesus, São Félix, Muritiba e Cruz das Almas.

Um dos empreendimentos mais novos de Cachoeira, a Pousada Pai Tomaz teve todos os 13 quartos reservados. Já a Pousada Treze de Março foi um dos poucos meios de hospedagem com vagas disponíveis, mas os quatro últimos apartamentos foram ocupados com reservas de última hora, de acordo com a recepcionista Renata Araújo.

Editado por Tribuna do Recôncavo | Fonte: Ascom/ Secretaria de Turismo do Estado

Jovem de Nova Redenção recita na Flica crônica “Mãe Preta”

Jovem de Nova Redenção recita na Flica crônica "Mãe Preta" - noticias, flica-2019, cachoeiraFoto: Cosme Santos/ Tribuna do Recôncavo

Durante a Flica 2019, em Cachoeira, a jovem Larissa Novais, da cidade de Nova Redenção, na Chapada Diamantina, apresentou no Espaço Educar para Transformar, a crônica “Mãe Preta”, uma história elaborada por ela para o projeto Educação Patrimonial e Artística (EPA).

Ao Tribuna do Recôncavo, Larissa falou que seu texto representa o que acontece com as mães nas favelas brasileiras, que sempre estão perdendo seus filhos para o racismo e para a violência. A crônica de Larissa conta a história de uma mãe negra que chora ao ver o seu filho morto.

“É triste mas é necessário que a gente esteja sempre fazendo esse tipo de intervenção, porque quem tem que lutar somos nós”, disse Novais.

Confira no vídeo abaixo a entrevista e parte da crônica:

Reportagem, redação e edição: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

Flica: Escritor Matheus Rocha faz sessão de autógrafos de seu livro sobre ansiedade

Flica: Escritor Matheus Rocha faz sessão de autógrafos de seu livro sobre ansiedade - flica-2019, cachoeiraFoto: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

No último sábado, dia 26, o escritor feirense Matheus Rocha participou da Mesa 9, da Geração Flica, sediada na Casa do Iphan, em Cachoeira. A Geração Flica é uma novidade do evento, cuja programação foi voltada para os jovens leitores.

Matheus falou sobre a importância da literatura LGBTQIA+ para os jovens do Brasil e sua relação com a ansiedade. Após o bate-papo o escritor realizou uma sessão de autógrafos do seu livro “Não me julgue pela capa”, uma obra que fala sobre ansiedade.

Ao Tribuna do Recôncavo, Matheus contou que seu livro fala sobre as inseguranças com o corpo, com o futuro, com o relacionamento e com os sonhos. “É um livro que fala de um ansioso para outro ansioso”, disse o autor. Para adquiri-lo é só acessar o link: www.amazon.com.br/N%C3…

Reportagem e redação: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

Estudante de Catu recita na Flica poesia “80 Tiros”; assista

Estudante de Catu recita na Flica poesia "80 Tiros"; assista - noticias, flica-2019, destaque, cachoeiraFoto: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

Durante a Flica – Festa Literária Internacional de Cachoeira, realizada entre os dias 24 e 27 de outubro, a poetisa e aluna do Colégio Luiz Viana, em Catu, Bruna Bispo, apresentou a poesia “80 Tiros”, uma crítica ao fato ocorrido em abril deste ano, no Rio de Janeiro, quando o músico Evaldo Rosa, de 46 anos, morreu após ter seu carro fuzilado por militares.

No Espaço Educar para Transformar, criado pela Secretaria da Educação, na Fundação Hansen Bahia, em Cachoeira, “Sol”, como é conhecida, mostrou em sua poesia a revolta social com a morte do músico Evaldo, uma pessoa negra que foi alvejada na presença do filho e da esposa.

“Todo mundo sabe que o preto na sociedade é sempre taxado como bandido, inconsequente e agressor, só que não é. E quando aconteceu esse fato, que foi a morte desse músico por conta da negligência do comando militar, isso me incomodou e eu sentir uma grande necessidade de produzir essa poesia”, disse Bruna ao Tribuna do Recôncavo.

Confira no vídeo abaixo a entrevista e parte da poesia “80 Tiros”:

Reportagem, redação e edição: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

Charanga Literária do projeto OXE agita ruas de Cachoeira durante a Flica

Charanga Literária do projeto OXE agita ruas de Cachoeira durante a Flica - noticias, flica-2019, destaque, cachoeiraFoto: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

Durante a FLICA – Festa Literária Internacional de Cachoeira, integrantes do projeto OXE: Literatura Baiana Contemporânea, do IFBA de Santo Amaro, realizaram entre os dias 24 e 26, em parceria com a Minerva Cachoeirana, o evento Diálogos Lítero-Musical.

Em entrevista ao Tribuna do Recôncavo, Lídia Souza falou que o objetivo do projeto é dar visibilidade aos escritores baianos contemporâneos que não são tão visíveis como Jorge Amado e Castro Alves. “A gente mostra com esse projeto que tem vários outros autores muito bons, como Mairant Gallo, Júlio Braga e Lidiane Nunes”, disse.

No evento Diálogos Lítero-Musical foram oferecidas atividades literárias e musicais, a exemplo da Charanga que percorreu as ruas de Cachoeira, na tarde de sábado, dia 26, puxada por uma carroça cheia de livros e animada pela filarmônica Minerva Cachoeirana.

Confira no vídeo abaixo a entrevista com os integrantes do projeto OXE, Lídia Souza e Rodrigo Carvalho, como também a apresentação da Charanga.

Reportagem, redação e edição: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

Cachoeira recebe 15º Panorama Coisa de Cinema com exibição gratuita de mais de 50 filmes

Cachoeira recebe 15º Panorama Coisa de Cinema com exibição gratuita de mais de 50 filmes - cinema, cachoeiraImagem Ilustrativa | Crédito: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

Mais de 50 filmes serão exibidos gratuitamente na programação do 15º Panorama Internacional Coisa de Cinema em Cachoeira, entre os dias 30 de outubro e 6 de novembro. O documentário Meu Amigo Fela, de Joel Zito Araújo, será o filme de abertura do Panorama, com sessão dia 30, às 19h, no Cine Theatro Cachoeirano. O longa mergulha na vida do multi-instrumentista Fela Kuti (1938-1997), considerado o criador do afrobeat.

A cidade conta com uma mostra competitiva exclusiva, onde serão exibidos os longas-metragens A Mulher da Luz Própria (Sinai Sganzerla), A Rainha Nzinga Chegou (Júnia Torres e Isabel Casimira), Casa (Letícia Simões), Selvagem (Diego da Costa) e Um Filme de Verão (Jo Serfaty). A lista de filmes selecionados pela cineasta Camila Gregório, coordenadora do Panorama em Cachoeira, reúne ainda mais de 30 curtas.

No júri de Cachoeira estão a atriz e performer Jamile Cazumbá; Maria da Conceição Abade, pescadora e agricultura quilombola, produtora cultural e educadora social; e Vinny Nepomuceno, graduando em Cinema e Audiovisual e curador no grupo de extensão Cineclube Mário Gusmão (UFRB). (mais…)

Cachoeira: Quadrinhos como expressão das culturas compõem penúltima mesa da Flica

Cachoeira: Quadrinhos como expressão das culturas compõem penúltima mesa da Flica - noticias, flica-2019, destaque, cachoeiraFoto: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

A penúltima mesa da Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica) no sábado (27) discutiu a contribuição das histórias em quadrinhos (HQs) para compor lacunas sobre a formação da sociedade brasileira e ajudar a falar melhor sobre assuntos tratados de maneira enviesada. “Quer que desenhe? Perspectivas negras nos quadrinhos” contou com os autores Marcelo D’Salette e Hugo Canuto.

A partir das provocações feitas pela jornalista Luana Assiz, os dois abordaram os quadrinhos no século 21 como expressão e afirmação das culturas urbanas, em interação com as tradições, em um processo de ressignificação e de representatividade do povo negro. Além disso, comentaram sobre o processo criativo das HQs assinadas por eles e acerca de temáticas como escravidão; ancestralidade e intolerância religiosa, apoiando-se em documentos e na ficção.

D’Salette é paulista e autor da premiada HQ Cumbe; e de obras como Encruzilhada e Angola Janga – esta última, selecionada pelo Governo Federal para compor as bibliotecas públicas escolares. “Talvez seja se sensibilizando com o outro que a gente encontre uma maneira de derrubar essas fronteiras sociais, como o racismo”, afirmou D’Salette numa de suas reflexões.

Já o baiano Canuto, alcançou o prestígio com o Conto dos Orixás. Na visão do quadrinista, o poder da sua arte está em conseguir chegar nas pessoas. “Nós temos que manter a chama acesa e seguir lutando cada vez mais por liberdade, por mais democracia. E o campo da arte é onde a gente consegue mostrar tudo isso, esse nosso pertencimento coletivo”, resumiu.

Matéria do jornalista Edvan Lessa cedida ao Tribuna do Recôncavo

Cachoeira: Quadrinhos como expressão das culturas compõem penúltima mesa da Flica - noticias, flica-2019, destaque, cachoeira

Foto: Hélio Alves/ Tribuna do Recôncavo

Voltar à página inicial