Depois de três dias de paralisação, os professores de Amargosa, em assembleia realizada no plenário da Câmara dos Vereadores nesta quarta-feira (12), resolveram ocupar a sede da Prefeitura Municipal para conseguir que a prefeita Karina Silva os atendesse.

De acordo com a presidente da APLB de Amargosa, Roseane Cabral, a classe vem desde o mês de abril (data do dissídio) tentando entrar em um acordo com a Prefeita e até agora nada foi resolvido. Segundo ela, o Piso Nacional dos Professores foi reajustado em 13.01%, mas em Amargosa a negociação não evoluiu, pois a Prefeitura apresentou uma contraproposta fracionada de 3,41% retroativo a abril e mais 3,0% a partir de dezembro.

Os professores também cobram merenda escolar, melhores condições de trabalho, valorização da classe e regularidade na entrega do material didático. Os sindicalistas dizem ainda que, após longa espera no prédio da Prefeitura, a prefeita Karina saiu sem atender os professores e acabou sendo vaiada. Com isso a classe decidiu em assembleia por um indicativo de greve. A prefeitura tem até a próxima sexta-feira (14) para atender as reivindicações, caso contrário será deflagrada a greve na rede municipal em Amargosa.

Em nota, a prefeitura de Amargosa esclarece que sempre houve diálogo com a categoria, conforme cópia da Ata da 7ª Reunião ocorrida no Gabinete, com a presença da prefeita Karina Silva, no último dia 28/07. Segundo a nota a interrupção das negociações não se justifica uma vez que já haviam acordos e diálogos mediados pela Direção Estadual da APLB Sindicato. (Editado por Tribuna do Recôncavo | Informações: bocaonews).