O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, não vai poder utilizar a “vaquinha virtual” da campanha do ex-presidente Lula, caso o substitua na corrida ao Palácio do Planalto. Até o momento, o partido já arrecadou R$ 500 mil por meio da ferramenta.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determina que a “vaquinha” só pode ser utilizada pelo próprio candidato. Se não confirmar a candidatura de Lula até a quarta-feira (15), prazo final para o registro, o PT terá de devolver o dinheiro aos doadores. (Bahia.Ba)