Ver estrelas, subir pelas paredes, revirar os olhos de prazer. É difícil encontrar uma mulher que não deseje essas sensações em seu relacionamento. Contudo, por mais que seja muito buscado, o orgasmo ainda é visto como um grande tabu e a experiência quase extracorpórea descrita em filmes e revistas faz com que muitas mulheres se questionem se de fato já conseguiram chegar lá ou não. Mas, afinal, como saber?

Muitas vezes, nos sentimos culpadas por não atingir o tão esperado orgasmo. Porém, isso pode acontecer por diferentes motivos, principalmente por se tratar de um assunto que causa tantas dúvidas e é rodeado por inúmeros mitos e tabus. Geralmente, essas falsas crenças relacionadas a sexo, sexualidade, masturbação e orgasmo são cultivadas por pessoas que tiveram uma educação mais rígida, em tempos quando ainda não se conversava abertamente sobre esses temas. É comum, por exemplo, ouvirmos relatos de mulheres que se sentem bloqueadas e ansiosas durante a relação, por terem vergonha ou até mesmo receio sobre o que o parceiro pode pensar sobre suas fantasias e desejos sexuais e, por isso, preferem fingir que chegaram ao orgasmo, quando na verdade não sentiram.

falta_deseo_F1portalDe acordo com uma pesquisa realizada pelo Projeto de Sexualidade da USP (ProSex), aproximadamente 50% das brasileiras possuem dificuldade para atingir o clímax na relação sexual, por motivos como vergonha, receio e até por falta de conhecimento do próprio corpo. Em outros casos, o que atrapalha é a preocupação em fazer com que o parceiro sinta prazer e consiga atingir o auge na relação sexual, fazendo com abdiquem da sua própria satisfação para impressioná-lo ou por medo de perdê-lo.

Nesse momento, podemos identificar outro problema comum nas relações amorosas que é a preocupação excessiva com a performance. A ansiedade focada no desempenho ou no objetivo final de atingir o orgasmo pode fazer com que deixamos de nos entregar as sensações do encontro sexual. Essa atitude pode levar a um distanciamento cada vez maior do prazer de ter um orgasmo, causando consequências negativas para sua autoestima e comprometendo sua relação a dois.

Agora, vamos ao que interessa! Para atingir o orgasmo nós mulheres precisamos de uma quantidade de sangue na região pélvica, bem maior que os homens precisam para a ereção. Por esse motivo, levamos mais tempo para estarmos excitadas e com a vagina lubrificada nos preparando para a penetração. Para que você consiga chegar lá é importante estabelecer uma boa comunicação sexual, converse com seu parceiro, descubra com ele o que te traz mais satisfação, o orgasmo costuma acontecer quando você se entrega, se envolve na hora do sexo. Para isso, é necessário sintonia, cumplicidade e muita intimidade sexual. Explore as zonas erógenas, perceba o toque, a respiração, os sons, o cheiro e o ambiente. Assim, quando você menos esperar o orgasmo virá!

Vale lembrar que preliminares, caricias, palavras românticas e eróticas e o estimulo a outras partes do corpo, como coxas e costas, antes de chegar no clitóris, são fundamentais para a excitação e o prazer na hora do sexo.

casalnamorados730Uma coisa é certa quando você chegar lá, você saberá! Não terá duvidas e sentirá uma sensação de completude. Afinal, o que buscamos nos encontros sexuais é a entrega de ambos com respeito e muito prazer.

Tatiana Leite é graduada em psicologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), com especialização em terapia familiar e de casal pela Pontifica Universidade Católica (PUC/SP) e Pós-graduação em Sexualidade Humana pela Faculdade de Medicina da USP. Informações: (11) 9. 98644-0000. (Editado por Tribuna do Recôncavo | Informações: InformaMídia Comunicação)