Nas terras férteis de Mutuípe,

Irrigadas pelas águas do Rio Jiquiriçá,

Na história de vida do seu povo,

A fé sempre esteve a sustentar!

 

No passado da tua história,

Lembrança de uma triste epidemia.

O teu povo vitimado pela varíola,

Prematuramente à vida sucumbia!

 

Recursos humanos e medicinais escassos,

Condenavam teu povo à morte precoce.

Mas a fé, sustentáculo do cristão,

Encontrou o socorro em São Roque.

 

És invocado, reconhecido e venerado,

Desde antes que a Paróquia existisse.

Milagres e bênçãos tens concedido,

A fé deste povo sempre nutristes!

 

Epidemias, enchentes, tremor de terra e seca,

Esta terra já experimentou.

Mas a fé que sustenta o seu povo,

Sobreviveu as provações e perseverou!

 

Fostes por Deus enviado,

Da França para curar,

As mazelas do corpo e da alma,

De um povo em constante caminhar!

 

Nascestes predestinado à missão.

Com uma cruz no peito selado.

Sob a proteção de Nossa Senhora,

Devoção que de sua mãe havia herdado.

 

Te despojastes da abastada herança,

Vivenciastes a pobreza e o abandono,

Peregrinastes ao encontro dos irmãos,

Vitimados pela peste e pela exclusão.

 

Doastes a vida aos doentes e abandonados,

Experimentastes a doença e a prisão.

Fostes peregrino e missionário,

Como Franciscano concretizastes tua missão.

 

Nesta Paróquia és o Santo Padroeiro!

Intercedes ao Pai incessantemente,

Pela cura dos males do corpo,

Que nos afligem cotidianamente!

 

Na história da nossa Paróquia,

Rumo à meio século de existência,

Incontáveis testemunhos de leigos e consagrados,

Que espelhando-se em teu exemplo,

Partilharam e partilham seu tempo e seus dons,

Assumindo o seu Batismo na cotidiana vivência!

 

Autoria: Maria do Carmo colunista do Tribuna do Recôncavo

Poema declamado no novenário/2017 – Mutuípe-Ba.