A propriedade da maior esmeralda do mundo, encontrada na Bahia em 2001, será mesmo definida por meio de julgamento na cidade de Los Angeles, nos Estados Unidos. O Brasil entrou com pedido para que o processo fosse arquivado enquanto representantes brasileiros tentavam recuperar a pedra diplomaticamente, mas ele foi negado.

A esmeralda tem 180 mil quilates e é avaliada em R$ 1,2 bilhão e está sendo disputada por oito pessoas, entre comerciantes de pedras preciosas, mineradores e empresários. O governo brasileiro entrou na disputa judicial alegando que a pedra foi extraída e exportada ilegalmente. Se  for recuperada, a intenção é levá-la para o Museu da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e colocá-la em exposição. (Redação/Tribuna, com informações do estadão)