Um dos pontos mais polêmicos da reforma administrativa implantada no Tribunal de Justiça da Bahia pelo seu presidente, o desembargador Eserval Rocha, é a agregação de 25 comarcas em outras já existentes. As comarcas e varas atingidas pela agregação apresentam volume processual inferior a 600 processos por ano, estão a menos de 60 quilômetros de distância das comarcas que irão incorporá-las, e não dispõe de juiz titular.

PRINCIPAIS COMARCAS QUE DEVERÃO SER DESATIVADAS

A Comarca de Milagres, no último triênio movimentou 398 processos, esta será incorporada a Amargosa; Jiquiriça teve em três meses 512 processos, será incorporada a Ubaíra e Jaguaripe com 328 processos, será incorporada a Nazaré. (Redação/Tribuna, com informações de atarde)