Um relatório do Banco Mundial (Bird), divulgado no último domingo (8), indicou que mais de 100 milhões de pessoas viverão na pobreza extrema até o ano de 2030, se nenhuma ação para limitar o impacto do aquecimento global for tomada. De acordo com a Agência Lusa, o Continente Africano é a região que deve ser mais afetada. As alterações climáticas podem aumentar o preço dos alimentos em 12% em 2030.

Na Índia, a destruição das culturas agrícolas e a proliferação mais rápida das doenças resultantes da desregulação climática poderá deixar 45 milhões de pessoas na pobreza extrema, a viver com menos de 1,90 dólares (1,80 euros) por dia. Um aquecimento plantetário entre 2 e 3 graus centígrados pode aumentar em 5% o número de habitantes expostos à malária e em 10% a ameaça de doenças que causam diarréia. (Metro1)