O 2018 do Vitória começou oficialmente na última quarta-feira, 3, e teve um início bem diferente de 2017. Isso porque, no ano passado, o Vitória se reapresentou com sete novas contratações, entre elas, nomes badalados como o do meia argentino Dátolo – que ficou até maio e fez somente sete partidas pelo Leão. Já na atual temporada, apenas duas caras novas foram vistas no primeiro dia dos jogadores na Toca do Leão.

As contratações de 2017 não pararam na pré-temporada. O ano foi marcado por alto investimento e muita expectativa da torcida, que viu o clube se reforçar com nada menos que 26 atletas.

A lista também ficou marcada por reunir alguns medalhões, a exemplo de Cleiton Xavier, e jogadores estrangeiros, como argentino Pisculichi e o chileno Pineda. Outros atletas já bem conhecidos no cenário nacional também desembarcaram na Toca do Leão, casos do lateral Patric, do meia Carlos Eduardo, e também dos atacantes André Lima e Neilton.

Na contramão de 2017, a atual gestão do Leão não só se reforça menos, como busca nomes menos badalados, como do atacante Denilson (foto), que teve uma rápida passagem pelo São Paulo e chega de empréstimo do Granada-ESP.

O outro reforço foi o lateral direito Lucas, que pertence ao Palmeiras e também chega por empréstimo. A mudança de pensamento entre gestões foi comentada pelo goleiro Fernando Miguel, que preferiu valorizar a manutenção de um time base.

Outro jogador que preferiu valorizar a manutenção do elenco foi o capitão Wallace. “No Nordeste a gente tem a mania de mudar o elenco. Esse ano a gente tem um elenco base. É um ponto forte”, elogiou o zagueiro.

 

A Tarde