Nesse Dia Internacional da Mulher, a Skol decidiu lançar uma campanha para retirar de bares cartazes antigos da marca com a estereotipada imagem da mulher retratada como objeto sexual. “Isso não nos representa mais”, anuncia o vídeo que está foi lançado nessa quarta-feira (8) nos canais digitais da marca. Oito artistas mulheres foram convidadas para fazerem releituras de pôsteres antigos da marca e a Skol está pedindo que as pessoas indiquem bares com cartazes machistas ainda pendurados na parede para que seja feita a substituição.

Não é de hoje que esse tipo de propaganda incomoda muita gente e tem sido alvo de críticas. Aos poucos, as marcas de cerveja em se esforçando para mudarem a forma de representação da mulher. Em seu novo posicionamento, a Skol passou a adotar desde o último verão a assinatura “Redondo é sair do seu quadrado”, em que já procurava dar um enfoque mais plural para a clássica fórmula praia, sol e piscina. A campanha de agora não chega a ser um pedido de desculpas pelas peças do passado, mas representa de certa forma um marco, à medida em que a empresa admite que as peças do passado eram machistas e que imagens sexistas não mais a representam, e também a incomodam.

De acordo com a diretora de marketing da Skol, Maria Fernanda de Albuquerque, os cartazes com mulheres seminuas já não fazem parte das campanhas da marca há pelo menos 10 anos, mas continuam sendo encontrados em bares pelo país, principalmente fora dos grandes centros. “Chega uma hora que esses cartazes passam a incomodar”, afirma a diretora. “É uma coisa que naquele momento funcionava, mas que hoje não faz mais sentido, não conversa com os valores da empresa muito menos com os jovens”. Segundo ela, não se trata necessariamente de deixar de mostrar a mulher de biquíni, e sim de retratar a realidade sem estereótipos. Continue Lendo >>

Embora esteja liderando o movimento dentro da Ambev, a Skol afirma se tratar de um novo posicionamento que está assumido por todas as marcas da companhia. “Não tem mais volta”, diz Maria Fernanda de Albuquerque. Ela lembra que a Brahma destacou o trabalho de uma mestre cervejeira em sua última campanha e que a própria Antarctica vem deixado de se referir às mulheres como sendo a “Boa”. “A Boa mesmo, que era a Juliana Paes, há muitos anos não é mais. Vem sendo muito mais referida à cerveja”, destaca.

Segundo a Skol, será criado no site da marca um espaço para as pessoas indicarem bares e outros pontos de venda que ainda tenham peças antigas, para que essas possam ser substituídas. (Editado por Tribuna do Recôncavo | Fonte: G1)