Na manhã da última quinta-feira (06), os servidores da saúde do Estado da Bahia realizaram uma manifestação, em frente à sede da Governadoria, na qual fizeram uma série de reivindicações. As principais pautas da mobilização foram o reajuste salarial, a volta do adicional de insalubridade, o destravamento do PCCV,  o pagamento integral dos vales transporte, o pagamento da URV e a realização de concurso público. Vários servidores da extinta 4ª Dires em Santo Antônio de Jesus participaram do ato.

Alguns dos direitos reivindicados pelos servidores, como, o reajuste dos vales transporte e o pagamento da URV, a qual ganharam a causa na justiça, não estão sendo cumpridos desde o governo de Jaques Wagner. Além do descumprimento desses direitos, o atual governo retirou a taxa de insalubridade e há 2 anos não realiza reajuste salarial.  Nesse dia estadual de paralisações, os servidores também protestam contra a reforma da previdência, a reforma trabalhista, a lei da terceirização e exigem a realização de concurso público no Estado, que há anos não acontece, especialmente na área da saúde.

O Sindicato do Médicos na Bahia (Sindmed), por meio do presidente, Francisco Magalhães (Chicão), registrou seu apoio ao ato de protesto. “Junto com outros segmentos, estaremos nessa luta pelo reajuste já e pelas reivindicações que estamos fazendo, como o Hospital do Servidor Público. Nossas reivindicações são justas. Vamos continuar essa luta Contra a reforma da previdência e contra a reforma da CLT”, declarou.

A sindicalista, Aladilce Sousa fez um pronunciamento no Centro Administrativo da Bahia, no qual, falou da importância da luta trabalhista contra os desmandos do Governo Federal e assinalou que dia 28, os servidores públicos juntamente com outras categorias farão uma greve geral. “O dever do trabalhador é lutar por seus direitos. Estamos vivendo um período de consolidação de um golpe que quer acabar com as política públicas e mudar a Constituição Federal”, frisou. (Maíra Oliveira/Tribuna do Recôncavo)